O jovem e o pote valioso (Motivação)

Um jovem introduziu a mão num valioso porte e estava sofrendo muito sem conseguir tira-la. Várias pessoas tentaram tirar puxando o porte, mas como ele sentia muitas dores e sofria, resolverem enfim quebra-lo.
Ao quebrar o pote, qual não foi a surpresa, pois o jovem tinha a mão cheia de doces e segurava-os firmemente. Desperdiçaram inutilmente um magnífico pote.  Se tivessem usado a inteligência não precisaria quebra-lo.
“Haja o que houver não quero soltar os doces” – foi este apego que feria a sua mão e ainda fez quebrar um pote muito valioso. Realmente é muito perigoso o espírito de apego.
Moral da história: O espírito de apego as pequenas coisas pode lhe custar caro!
A maneira de pegar macacos na Oceania, escrita por Kiumao Nishimura , é bem semelhante a esta historia.
Os nativos daquela região fazem um buraco no coco, ainda no pé, e o macaco introduz a mão no buraco querendo tirar o saboroso conteúdo. O homem sobe na arvore e captura o macaco atarantado que, segurando o conteúdo, não consegue tirar a mão do coco. Se soltasse o que havia pegado, estaria salvo, mas a limitada inteligência do macaco não permite que compreenda essas coisas.
Se aquela pessoa tivesse largado os doces que segurava, tanto a tua mão como o valioso pote estariam salvos. Se o macaquinho tivesse soltado o conteúdo do coco talvez houvesse podido voltar correndo aos braços da querida mãe.
No mercado de trabalho esse tipo de atitude também pode lhe custar caro. Há muitos anos, trabalhei durante algum tempo no escritório de uma pequena indústria. Nela alguns funcionários tinham o costume de parar de trabalhar 15 minutos antes do horário e se preparavam para sair.
Lembro-me que o dono da empresa ficava bastante contrariado com a atitude e quando precisava reduzir o pessoal, mandava embora sempre os que se adiantavam para sair. Uma vez perguntei para um dos funcionários porque ele parava de trabalhar 15 minutos antes de terminar seu horário. Ele respondeu que se espera-se tocar o sinal, acabaria ficando dentro da empresa 15 minutos a mais, sem receber, somente para se limpar e arrumar suas coisas para sair.
Aos olhos da lei trabalhista não sei dizer ao certo quem estava ou não com a razão.  Mas, pelo menos para mim,  o pouco tempo que ele ganhava parando seu serviço mais cedo, não compensava o risco de ser mandado embora de uma empresa que lhe dava um salário razoável e bons benefícios.
Mas algumas pessoas são assim, perdem muito na vida por se apegar demais as pequenas coisas…


Beijos, Luciene Lima.

Nenhum comentário: