Via Face

há 2 segundos 

LER O QUÊ?
Nas pausas cada um procura os seus hobbies* favoritos. Alguns acham que se lerem outro assunto a não ser aquilo que estudam que terão algum apagão. (risos)
Eu também pensava assim, e andei pesquisando que lendo ou vendo Tv também está absorvendo. A verdade é que se estamos estudando (lendo bastante) precisamos dar um descaso aos olhos, nisso concordo plenamente. Eu tenho procurado ler
outros assuntos naquele dia que tiro pra relaxar. Ou sabem quando a gente dá um tempinho após aquela prova pesadona? E sentimos um vazio danado com saudades de um novo edital? Eu não tenho hábito de ver muita televisão a não um seriado que sou viciada que passa na HBO. Os meus maiores vícios são a leitura e escrever é nítido não é?
Ou quando me sinto meio depressiva por não ter tirado uma boa nota, sentimento de fracasso, quando aqueles pensamentos ruins invadem os meus pensamentos deixo à mão aquele livro gostoso e leio pra ocupar a minha mente, acreditem faz um bem danado.
Bem, de qualquer maneira quem não tiver coragem de correr o risco de ler algo leve fora dos concursos, deixo as minhas indicações aos Concursados, professores e amigos afins. Achei super bacana o texto. Leiam e anotem que vale a pena.
----
"Se você, caro leitor, acha que vai viver 300 anos, pode se dar ao luxo de ler Jorge Amado, Paulo Coelho ou Rubem Fonseca, entretanto se você acredita, assim como eu, que não deve passar dos 100 anos, acho melhor selecionar o que vai ler a partir de agora, pois há, pelo menos, uns 50 livros básicos da Grande Literatura que você não pode deixar de conhecer.

Vou tentar, de memória, citar aquilo que eu chamo de grandes livros consagrados. Aproveite o pouco tempo que você tem!

Antes de tudo lembremos que todo escritor possui, em seu desenvolvimento criativo, uma fase inicial, uma intermediária e a fase madura. Claro que toda regra tem suas exceções, mas no geral é assim; aconselho conhecer uma ou duas obras da fase intermediária e duas da fase madura de um autor consagrado.

Vamos começar pela língua portuguesa. É válido ler Machado de Assis e seu “Dom Casmurro”, pois talvez seja o maior escritor brasileiro, além de uma ou duas obras de Adonias Filho, Mário de Andrade, Lúcio Cardoso, Graciliano Ramos e Guimarães Rosa.
Em Portugal, Fernando Pessoa, Luis de Camões, Eça de Queiroz e o premiado Saramago.
Em Angola tem um ou dois escritores que valem a pena ler; basta pesquisar.

Em espanhol a obra maior é “Dom Quixote de La Mancha” escrito por Cervantes. Vale ler Garcia Lorca e Jorge Luis Borges, de preferência no original com uma tradução paralela ( edição bilíngue ).

Na língua francesa uma boa introdução é o “Estrangeiro” de Camus, por ser um livro fino, fácil e genial. Depois “A Queda” e por final “A Peste” do mesmo autor seria um bom aprofundamento. “O vermelho e o negro” de Sthendal seria uma sequência louvável. “A Idade da Razão” de Sartre e os outros livros da trilogia, “Salomé” de Oscar Wilder foi escrita em francês, além das principais obras de Balzac, Flaubert, Villon, Rabelais, Moliere, Voltaire, Victor Hugo, Baudelaire, Zola, Rimbaud e um dos mais marcantes escritores franceses, Proust.

Na língua russa, antes de conhecer os escritores do séc. XX ( Nabokov, Gorkin, Andreev, etc. ) aconselho conhecer os consagrados do séc. XIX ( “Inspetor Geral” de Gogol, “Guerra e Paz” de Tolstoi, “Pais e Filhos” de Turgueniev, “As três Irmãs” de Tchecov e “Crime e castigo” de Dostoievski ). Por serem escritores realistas, numa tradução não se perde muito da intenção do autor no texto.

Em língua inglesa, talvez a mais rica da Literatura, pois são somados todos os países cujo idioma seja este, uma boa introdução é Henry James e seu “Retrato de uma dama”. “Moby Dick” de Herman Melville é a maior aventura jamais escrita nesta língua. Dickens é um dos escritores maiores, além de Dafoe e Huxley. Não esquecer do maravilhoso “Retrato de Dorian Gray” de Oscar Wilder e a epopéica “Ulisses” de James Joyce, a obra mais de difícil de interpretar da língua inglesa. Lembremos que Hamlet, Otelo, Julio Cezar, Machbet e A Tempestade, que são as maiores peças teatrais renascentistas, foram escritas em inglês.
A menos que seu amor por Shakespeare seja muito grande, não perca seu tempo lendo “Romeu e Julieta” ou “Coriolano” ( Um “Julio Cezar” menor ).

A maior obra escrita em italiano, sem sombra de dúvida, é “A Divina Comédia” de Dante Alighieri, mas “O Príncipe” de Maquiavel também é muito lido. Eu aconselho, todavia, conhecer uma ou duas obras de Petrarca, Boccaccio, Torquato Tasso e Buzzati.

A Literatura Alemã, uma das mais brilhantes, nos dá “Fausto” de Goethe como uma das mais essenciais obras nesta língua. Vale ler outras obras deste escritor.
É na filosofia que os alemães se destacam mais, porém, saindo deste âmbito, gostaria de citar o escritor tcheco Franz Kafka e sua novela “Metamorfose”, uma boa introdução neste mundo de erudição alemã. Vale checar “O Processo”, sua maior obra, além de “O Castelo”. Thomas Mann e seu “Dr. Fausto” está ótimo, mas “A Montanha Mágica” é o mais conhecido. Como já disse, o melhor da literatura alemã estão nos textos filosóficos; vale ler os filósofos.

Obs.: Antes de ler as obras renascentistas de um Shakespeare ou obras medievais de um Dante, acho adequado conhecer alguns escritores romanos e gregos
( Ovídius, Horatius, Marcus Aurelius, Homeros, Herodotos e os maiores dramaturgos, Sophokles e Eurípedes )
“A República” e “O Banquete” de Platão são indispensáveis!

Por ora é só!

-------------------------
BOA LEITURA. Ocupemos a mente com assuntos que agreguem e produzam sempre.
abração forte de ursa e por é só.
PIPOCA

Nenhum comentário: