Blog da Cátia Pipoca - Dicas de Concursos Públicos

Nunca é tarde para mudar

De tantas falhas o que mais mudei em mim era aquela preocupação incômoda em relação a opinião alheia. Faz um bom tempo que quiprocós, desdéns, buchichos, convsersinhas improdutivas, não preenchem a minha mente que anda ocupada demais cuidando das minhas próprias falhas e meus objetivos. Ademais, eu me divirto com o Ibope proporcionado daqueles que nos subestimam. \o/

-----------------------------
Nunca é tarde para mudar
Embora as coisas pareçam impossíveis agora, você é capaz de invertê-las! Afinal, quem de nós não têm problemas, desapontamentos e fraquezas? A diferença que há entre um e outro é a forma como lidamos com nossos reveses
"Elimine a causa, e o efeito passa". Li essa frase em algum lugar dias atrás. E logo veio em mente que se eliminasse a causa por onde começaria? Na minha mente a causa estava residindo no áspecto material, mas depois percebi que não. Mudanças começam de dentro pra fora e isso reflete nas nossas atitutes, maneira de pensar, modo de sentir e absorver. É impressionante a força que a mente tem sobre o nosso corpo e até mesmo a nossa saúde!! O problema é que demoramos a ter o tal "feeling". Não é fácil mudar certos hábitos. É igual readaptação alimentar. Quem consegue de fato manter hábitos saudáveis tendo anos se alimentando de maneira irregular? Falo por mim mesma, nossa, é complicado!!! Então, se tudo ocorrer a seu favor a vida vai tratar de te colocar num beco sem saída e você deverá de alguma maneira gerar essas mudanças! Complicado é fazer por vontade própria, mas não impossível. Falo por mim, antes era radical, imediatista, queria tudo para ontem. Confesso que ainda estou trabalhando, mas uma boa parte de mim "velha", desfiz. Depois de anos aprendemos que para se conquistar novos hábitos - seja qual for a modalidade - sentimental ou material - é preciso paciência e cautela. Talvez resida aí o primeiro passo àquele que deseja realmente virar o jogo. E depois, livrar-se de tudo aquilo que te faça lembrar dos velhos "comodismos do cotidiano". Aindo caminho, morrerei aprendendo comigo e com as pessoas que entram e saem da minha vida. Não almejo a perfeição, quero apenas o necessário que me proporcione o equílibrio e o merecimento alcançado do meu trabalho. E jamais perder o "brilho" e otimismo das coisas e nas pessoas, ainda que me frustre algumas vezes. Ainda que decepcione e erre com meu semelhante. Nunca é tarde para "matar" nossos ânciões defeitos.
Tanto de nós vai se perdendo e vamos preenchendo certas lacunas com o necessário.

Nenhum comentário: