Blog da Cátia Pipoca - Dicas de Concursos Públicos

CRÍTICA - PROJETOS - REGULAMENTAR CONCURSOS PÚBLICOS:

PROJETOS - REGULAMENTAR CONCURSOS PÚBLICOS:

Deveriam criar PROJETOS REGULARIZANDO "REQUISITADOS", A MERDA DOS "CADASTROS RESERVAS" (com o perdão do palavreado) e os CARGOS COMISSIONADOS DOS NÃO ESTÁVEIS. ORGANIZAR A PU**** dos EDITAIS...limites pra essas BANCAS ORGANIZADORAS. Ao invés de encher linguiça proibindo Inscrição em Concursos públicos pra Servidor em Estágio Probatório.
-
Quando de fato todos estivermos em SINTONIA, nos unindo pra lutar sobre os nossos DIREITOS E MAIS RESPEITO E TRANSPARÊNCIA (POR EXEMPLO PROIBINDO BANCAS QUE NÃO PERMITEM TRAZER AS PROVAS PARA CASA) ...assim como o quantitativo enorme de INSCRITOS, aí sim, alguma coisa de fato MUDARIA. Enqto reinar o COMODISMO, vamos engolir FELIZES E SALTITANTES o que nos oferecem! E SEM RECLAMAR!


Projeto proíbe servidor de fazer novo concurso durante estágio probatório


A Câmara analisa o Projeto de Lei 3315/12, do deputado André Figueiredo (PDT-CE), que proíbe os servidores públicos federais de fazer concurso público antes de cumprir o período de estágio probatório.

Pela proposta, no ato de inscrição dos concursos públicos federais, o candidato deverá declarar que não ocupa cargo público efetivo federal, ou que, caso ocupe, já cumpriu o período de estágio probatório.

Punições
O candidato que não respeitar a determinação ficará sujeito:
– ao cancelamento de sua inscrição e exclusão do concurso, se a falsidade for constatada antes da homologação do resultado;
– à exclusão de seu nome da lista de aprovados, se a falsidade for constatada após a homologação do resultado e antes da nomeação para o cargo; e
– à declaração de nulidade de sua nomeação, se a falsidade for constatada após a publicação do ato.

Prejuízos
Segundo o deputado, “o concurso público não pode constituir um fim em si mesmo, mas o início de uma carreira profissional especializada, na qual o Estado investe para servir toda a sociedade”.

Para ele, a mudança de função durante o estágio probatório causa prejuízo aos cofres públicos. O deputado argumenta que todo o processo de treinamento e aperfeiçoamento se perde com a saída dos funcionários para outros cargos. Figueiredo afirma que a regra atual privilegia o interesse privado em detrimento do interesse público.

Tramitação
A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

6 comentários:

Anônimo disse...

Um olhar míope sobre a realidade leva-nos a tomar medidas inúteis que só geram prejuízos aos cofres públicos (exemplo: tramitação de um projeto de lei que não resolve o problema de rotatividade de funcionários)
A realidade é bem outra e o projeto, se virar lei, não prejudicará os concurseiros.
Só prejudicará aos marinheiros de primeira viagem, que prestam qualquer concurso sem ao menos saber o que realmente querem, entram, tomam um choque com a realidade, se arrependem e não poderão sair, trazendo maior instabilidade ainda, mas isso já acontece com eles ...
Concurseiro, antes de prestar um concurso, saiba todos os detalhes do cargo, plano de carreira profissional especializada no qual o Estado investe para servir toda a Sociedade etc.
Não vou escrever outras coisas, é dar uma faca a quem diz querer te matar, e, "Quem não lê ... mal ouve mal fala mal vê"
Nem me preocuparei com a história, ficarei mesmo no comodismo, observando de longe, feliz e saltitante, e sem reclamar, mas, em minhas orações reservarei um espaço para incluir: "Perdoai-os mal sabem o que fazem"
(Qtd. de inscritos? Concorremos sempre com os mesmos, concurseiro é coisa rara de se ver)

Anônimo disse...

Isso tudo me parece Estratégia para se eliminar um candidato que queira um cargo melhor dentro da administração
- Coordenador! o candidato 05 já é funcionário público
- "Seu" 05
- Sim Senhor
- Tenha Bondade
- "Seu" 05 se o Senhor passar neste concurso, toda a máquina administrativa vai explodir ...
- O Senhor vai passar neste concurso? "Seu" 05
- Não Senhor
http://www.youtube.com/watch?v=G0YCkDyBhdE

Anônimo disse...

Eu concordo plenamente com esse deputado, tendo em vista que o treinamento de um novo servidor realmente onera os cofres públicos e esse dinheiro vai para o ralo quando da saída do cargo no estágio probatório.
Se a pessoa já conseguiu um cargo, parabéns, que fique com ele e dê chance a quem ainda não conseguiu.
Espero que esse projeto seja aprovado.

CatiaPipoca disse...

A quantidade de inscritos a que me refiro é que se os mesmos lutassesm pelos próprios direitos, seria ótimo, em resumo.

Anônimo disse...

Bom Dia!
Obrigado pelo esclarecimento quanto ao nº de inscritos
Uma coisa tenho que concordar, o candidato investe em livros, apostilas, cursinhos e tudo o que se fizer necessário para passar, entra praticamente sabendo quase tudo sobre o que vai fazer (exige-se isso nas provas) e é uma pena ele sair levando consigo tudo o que investiu em si mesmo.
Quanto ao investimento do Estado em muitos casos (não em todos) não podem ser classificados na contabilidade como investimentos mas apenas como despesas (gastos necessários, têm função de gerar receita).
Estou aqui me recordando das centenas de casos de pedidos de exoneração, e até agora pelo menos, não consegui visualizar o que mudaria a situação real daqueles candidatos se esse projeto tivesse virado lei há 30 anos, teriam saído sem que a lei se aplicasse ao caso deles.
Vou continuar estudando esses casos ...
Essa história até pode virar um capítulo numa adaptação do Auto da Compadecida
Concurseiro Chicó e Concurseiro João Grilo admitidos como candidatos na Tropa de Elite
- Chicó: - Missão dada é missão cuuuuuumprida
- Grilo: - Que nada, já tenho tudo estudado, planejado, é só por em prática, você passa nesse concurso, não vai poder desistir, fica estável, se casa com Rosinha etc. e tal
- Chicó: - Missão cuuuuumprida da moléstia é essa! E você o que planeja pra você?
- Grilo: - É segredo, só no final você vai saber...
- Chicó: - Só espero que no final, em meio a fumaça, eu não tenha que falar: - Só sei que foi assim
.
.
.
Mais uma vez...Obrigado

Anônimo disse...

continuação do comentário anterior ...
Concurseiro Chicó e João Grilo na prova final
Coordenador: Guerreiros! Só vocês dois chegaram a final, todos pediram pra sair
Grilo: - É, pensamos que projeto de lei já era lei e que não poderíamos desistir!, questão de interpretação Senhor!
Coord.: hoje é a prova final e não vou perder tempo com vocês dois, vou dar uma prova sobre interpretação, não de texto, mas de frase, vocês terão 30 segundos pra escrever em trinta linhas a interpretação de vocês para: , peguem caneta e papel que vou cronometrar, assim que terminar de falar a frase começa o cronômetro
Chicó: Tanto sacríficio pra nada
Grilo: Nada é fácil Chicó, nada é fácil
Coord: A frase é: "NADA É FÁCIL" comecem!
João Grilo escreve algo em um segundo assina logo após a 30ª linha e entrega a prova em mais um segundo, gasta ao todo 3 segundos, sai da sala e fica lá fora aguardando seu amigo chicó por longuíssimos 27 segundos, a torcida pelo amigo o angustia
Chicó se contorcendo na cadeira, pensando alto, falando sozinho, nem viu seu amigo sair, nos últimos 3 segundos escreve algo na 30ª linha, assina logo abaixo entrega a prova e sai da sala
ao encontrar seu amigo começam a falar entre outras coisas sobre a prova...
Chicó: Tanto sacrifício pra nada, vou ter que arrumar outro jeito pra se casar com Rosinha, e aí grilo o que colocou na redação?
Grilo: Escrevi na 1ª linha "Fazer nada é facil Veja:" não escrevi nada nas demais linhas e assinei ...
Chicó: Pelo menos não poderão dizer que copiei sua prova, eu não escrevi nada nas 29 linhas e na 30ª escrevi: Não consigo ficar sem fazer nada, fazer nada não é fácil.
Os dois se abraçam e continuam andando com a mão no ombro um do outro e falam: Podemos não passar mas pelo menos fomos até a final
João Grilo olha pra trás e fala: Viu ele não fala mais só sei que foi assim ...
Um grande abraço a todos
Até qualquer dia ...