Blog da Cátia Pipoca - Dicas de Concursos Públicos

Por Ninha: Saudade de mim!


Nossa, faz uns dias que nem dou as caras...e peço desculpas ao povos lindos. Mas é tanta coisa pra fazer, sentir, fugir, esquecer que me fechei em concha.
Sabe, ando sentindo saudade de muita coisa, de muita gente.
Das que foram embora e das que nem chegaram..
Mas principalmente saudade de mim.
Do que eu era, ou pelo menos queria ser. Dos sonhos que deixei pra trás, muitos por motivos alheios a minha vontade, outros por achar que não dá mais tempo!
Nos últimos dias tenho sentido uma dor que não é minha, vivido coisas e sentimentos que não me pertencem. Perdido o sono por um sentimento que tomou meu coração, que há muito não sabia o que era...
Tô com saudades do tempo em que eu não me preocupava tanto com os outros e não esquecia de mim. Tô com saudade de não sentir nada, de ter um coração vazio, sabe? Sem ninguém pra despedaçá-lo…Tô com saudades de quando o meu “estou bem” era verdadeiro, e os meus sorrisos não eram apenas um fingimento. Tô com saudade de quando eu podia dormir em paz, sem nenhum pensamento ocupando minha mente…
Nem pareço a "mulher de 30" que descrevi há dois meses, hoje um medo infantil me toma...
Meu filho tá indo pra SP morar com minha mãe, e pode nem ser assim, mas me sinto frustrada.
A vida anda me cobrando as mazelas por mim feitas, isso também me assombra...medo do preço a pagar, medo das coisas a perder.
Medo e saudade...medo do lá fora...saudade do aqui dentro!
Hoje povos, só vim pedir um colo...Gritar que as coisas não andam bem, sim...podem falar que me rendo fácil. Não ligo! Só o peso tá grande e quase não dando pra carregar sozinha.
Sim, eu sei que a fé é importante, mas como diria Marcelo Camelo:"Se existe Deus em agonia, manda essa cavalaria que hoje a fé me abandonou".

"Tenho saudade de mim mesmo,
saudade sob aparência de remorso,
de tanto que não fui, a sós, a esmo,
e de minha alta ausência em meu redor.
Tenho horror, tenho pena de mim mesmo
e tenho muitos outros sentimentos
violentos. Mas se esquivam no inventário,
e meu amor é triste como é vário,
e sendo vário é um só."
Estrambote Melancólico, Carlos Drummond de Andrade





Um comentário:

Anônimo disse...

Nossa que desabafo!!Tb me sinto assim...abraço Forte!!Tati