Por W.D: Quanto custa estudar para concursos?

Costumeiramente me perguntam quanto custa a preparação para concursos e muitos me procuram contando que não estão estudando porque não têm condições de comprar todos os livros e apostilas que existem no mercado para os concursos para os quais estão se preparando. Por isso, acho importante falar um pouco mais sobre esse assunto que tira muitos concurseiros do sério. Então, afinal, quanto custa passar em um concurso?

O candidato vai gastar dinheiro com cursos, livros, taxas de inscrição, deslocamento para o curso etc. Isso é um fato. Há cálculos que falam em 10, 15, 20 mil reais, até mais, mas não acho que esse valor seja definitivo. Existem cargos para nível fundamental, por exemplo, em que o custo de tudo é menor, desde o cursinho até a apostila, e independente do concurso para o qual você esteja se preparando, não precisa comprar absolutamente tudo do mercado para ele. De forma que não há como precisar o montante do gasto sem considerar esses fatores e, em especial, quanto tempo a pessoa vai passar estudando. O fato é que este valor, qualquer que seja, não pode ser encarado como um gasto, mas sim como um investimento que tem um retorno certo: sua aprovação.

Dizem que se alguém acha caro o custo do conhecimento é porque ainda não parou para pensar no custo da ignorância. A Bíblia diz, em Provérbios cap. 3, versos 13 e seguintes, para investirmos em sabedoria e conhecimento, pois a sabedoria traz vida longa, riquezas e honra, sendo o melhor investimento que se pode fazer. Posso dizer, da minha experiência como concurseiro e especialista, que a orientação é correta. Os concursos proporcionam emprego estável, honroso, com boa remuneração e que permitem excelente qualidade de vida. Em suma, o "prêmio" pelo esforço e investimento é recompensador.

O investimento vale, mas volta a questão: e aqueles que não têm o dinheiro? Alguns sortudos têm um familiar (pais, avós, tios, cônjuge) que banca os estudos, e isso é bom. Outros precisam trabalhar para se manter. Estes, embora com menos tempo, em geral são mais responsáveis e grande parte da lista dos aprovados: gente esforçada, que "assovia e chupa cana", mas chega aonde quer. Existem também as bolsas de estudo, algumas em troca de trabalho nos cursinhos, as bibliotecas, os livros emprestados e assim por diante. Algumas dicas para quem está controlando as despesas são não fazer todos os concursos que são lançados e usar a internet a seu favor, procurando provas antigas e videoaulas gratuitas. Vale dizer ainda que há cursos e aulas gratuitas em sistema de voluntariado, como os do Educafro. Por fim, anote-se que é possível pedir isenção da taxa de inscrição em caso de hipossuficiência econômica.

Dito isso, o candidato deve ter em mente que o concurso é um projeto de longo prazo, que deve ser levado com sabedoria, determinação e paciência. Aqueles que aprenderem a lidar com esse projeto de forma organizada e inteligente terão excelentes resultados. Na minha página,www.williamdouglas.com.br, forneço gratuitamente dicas e orientações, inclusive em vídeo, e em meus livros há mais dicas e técnicas.

Por fim, reforço que o concurso é uma bela carreira e um projeto que vale a pena. Com a quantidade certa de tempo e trabalho, todos que “pagam o preço” chegam lá. O investimento terá retorno garantido não só materialmente, mas em qualidade de vida, tranquilidade e bem-estar.

William Douglas

William Douglas é juiz federal, professor universitário, escritor e conferencista.
Foi primeiro colocado em diversas seleções.

Site: www.williamdouglas.com.br/

Nenhum comentário: