Blog da Cátia Pipoca - Dicas de Concursos Públicos

DAS PEDRAS ME DESPEÇO




"Porque a força de dentro é maior que todos os ventos contrários..."

(Caio Fernando Abreu)

E, de repente, atirei pela janela todas as pedras que guardava nas mãos. Elas nunca haviam sido minhas de verdade; então, por que retê-las?

Não as joguei com força, pois meu intuito jamais seria machucar alguém.

Pretendia apenas parar de me doer, de sangrar, de esmorecer enquanto o tempo passava lá fora a olhos vistos, sem esperar por mim.

Cuidei tanto daquelas pedras, como se fossem únicas no mundo. Mas o fato é que esqueci que elas não eram rosas – eram pedras, e só.

Nunca floresceriam. Em momento algum, desabrochariam. Configuravam-se como pedras secas, sem qualquer possibilidade de transformação.

Na verdade, descobri que todo o potencial que enxerguei nas pedras precisava voltar para sua origem: eu mesma.

Fui eu quem ofereceu vida a elas; logo, cabia a mim deixá-las morrer quando necessário.

Aos punhados, me desfiz do que parecia precioso e que, na verdade, era só uma parte dura que não me pertencia.

Libertei.

Expandi.

Deixei espaço para o que virá!

---------------------------------------------------


Amei esse Texto por retratar exatamente a minha nova fase!!

Nos primeiros dias parece que não terá um fim.

Depois, não é que a dor vá embora, mas no lugar notamos uma sútil mudança, pois ficamos mais conformados. E entre um suspiro ou outro, pensamentos que vagam cada vez mais ausentes. Chega uma hora, depois de dias (ainda não hoje, pois ainda sinto). No entanto, é saber que no final das contas tudo vai ficar bem. Demore o tempo que for preciso. O importante é ter coragem e enfrentar a dor. Faz parte, amadurece...fortalece!

Eu, PROJETO EM CONSTRUÇÃO.

Abração de Ursa da Pipoca

Um comentário:

Marine Cristina disse...

rsrsrs... eu, projeto 2 em construção, estou tentando jogar minhas pedras pela janela também...
Valeu pelas palavras Catita...
Smacks no coração.