Blog da Cátia Pipoca - Dicas de Concursos Públicos

Por Kalel Jones: "Tone Noninu": Não tenha vergonha, tire suas dúvidas!





Talvez, em alguns momentos, ficamos com dúvidas, mas ficamos com vergonha de pedir esclarecimentos, por achar que seja uma pergunta ridícula, que todos os demais entenderam (rão) o assunto, logo no primeiro lance, ou porque gostamos de ocultar nosso desconhecimento, dentre outros motivos.

Já em outros não perguntamos, porque não gostamos da matéria. Sentimo-nos satisfeitos por termos passado por um conteúdo (lido ou ouvido).

E assim vamos acumulando dúvidas, que em um dia importante vão nos cobrar respostas, e não teremos como dá-las.

Dia de prova não é apropriado para se ficar fazendo deduções sobre coisas que não se entenderam bem, na época preparatória. Isso vai gerar nervosismo e muito tempo perdido em uma única questão.

E o que é o tal do "Tone noninu"?

É uma expressão de uma pessoa que me inspirou esse artigo.

Ela não entende inglês e estava com muita vontade de saber qual é o nome da música a qual está curtindo muito, a fim de procurá-la. Então foi a um site de perguntas e lançou sua dúvida:

"Qual o nome da música...?

Ela é nova, está sempre tocando nas rádios e é mais ou menos assim:tone noninu. tone noninu. tone noninu.aí vem outra parte:ruuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu uuuuuuuuuu uuuuu

ruuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu uuuuuuuuuu uuuuu"

E foi zoada:

Uma:

"tone noninu kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk"

duas vezes:

"vish...procure um psiquiatra..."

Mas atingiu o seu objetivo:

-"eu acho qe ér a do Tiko's Groove feat Gosha - i don't know what to do . creio qe ér essa :s"

-"É essa mesma!

Muito obrigado!"

Temos consciência de que muitas pessoas não nos acrescentam nada, além de nos desmotivar a solucionar algo; mas não podemos nos esquecer de que há diversas outras para nos ajudar a atingir nossos objetivos.

Quando eu comecei a estudar a Constituição Federal, lembro-me de ter ficado com dúvida sobre o seguinte artigo:

"XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho;"

Além do entendimento que hoje sei que é o correto, eu também tive a interpretação:

Trabalhadores urbanos têm até 5 anos para reivindicar créditos trabalhistas, independentemente de ter havido ou não extinção do contrato de trabalho.
Já os trabalhadores rurais têm até 2 anos, após o extinção do trabalho, para pleitear o que é de seu direito em virtude do trabalho.

Joguei a pergunta em um fórum de concurso e aguardei respostas. Não me lembro de ter sido ridicularizado. Ninguém me mandou voltar para a escola, para aprender a ler. Muitos não souberam ou não quiseram em responder.

Uma pessoa que era formada em Direito e sempre debatia questões no fórum me ajudou, mas ainda me respondeu com "acho que...", também ficou com dúvidas e resolveu pesquisar sobre o assunto. Depois me deu uma resposta mais sólida, com firmeza.

Gente boa ela! Merecidamente, foi nomeada em um TRT, posteriormente.

Não me esqueço até hoje da resposta!
E assim vou me preparando!
Abraços,
Kalel Jones

Gostei da música!

Tone noninu! Tone noninu! Tone noninu!


Nenhum comentário: