Blog da Cátia Pipoca - Dicas de Concursos Públicos

Pelos Caminhos Do Concurso Público

“Cada um de nós compõe a sua própria história e
cada ser em si carrega o dom de ser capaz, de ser feliz.”

(Almir Sater)

Trilhando nos últimos anos os tortuosos caminhos do concurso público, especialmente no ensino da disciplina Direito Constitucional, pude testemunhar inúmeras experiências marcantes no mundo dos concursos. Algumas muito bem sucedidas, felizmente, mas outras nem tanto.

Percebemos, por exemplo, que, quando alguém se propõe a se preparar para um concurso público, em geral, traz nessa decisão alguma carga de insucesso ou frustração profissional. A verdade é que se tudo estivesse de maneira ideal, no aspecto profissional, ninguém se proporia a enfrentar uma caminhada difícil como esta.

Preparar-se com seriedade para concurso público, definitivamente, não é uma tarefa fácil. Requer muito sacrifício. É, no entanto, uma tarefa possível de ser executada, já que se trata de um instrumento absolutamente democrático. A prova é a mesma para todos, o que iguala as chances de cada candidato.

Apesar disso, existe uma diferença grande entre o candidato que é apenas “figurante” no concurso público e aquele que está nele efetivamente para concorrer.

A experiência que vivenciamos com milhares de candidatos deixa claro que o “Concurseiro” que é efetivamente concorrente, deve ter três atitudes básicas: Perseverança, Disciplina e Humildade na preparação.

Perseverança, para ter a consciência de que será necessário estudar assuntos que não são tão agradáveis de serem estudados; para não se atrasar nas aulas nem sair delas mais cedo por simples comodidade; para renunciar às pessoas, situações e contextos muito mais agradáveis do que o que se encontrará nos cursinhos preparatórios. Tudo isso em nome de um sonho.

“Nunca deixe que te digam que não vale à pena
acreditar num sonho que se tem”

(Renato Russo)

Disciplina, para traçar uma estratégia racional de preparação. Não há regra geral. Cada um deve perceber o que funciona na sua realidade de vida. Copiar até o “bom dia” dos professores? Gravar as aulas? Separar um tempo extra do dia para fixar os conteúdos aprendidos em sala?

Seja lá como for, é preciso traçar uma estratégia, e segui-la.

Por último, é preciso ter humildade na preparação, para jamais subestimar a prova e as matérias; para não intimidar os concorrentes menos preparados; para não “arrotar” conhecimento desnecessariamente; para ser discreto na preparação e mostrar conhecimento somente na hora certa; para ser, antes de tudo, leal na preparação. Consigo mesmo e com os outros.

É preciso ser humilde para encarar o seu concorrente como um aliado, e não como alguém que quer a sua vaga. Como já dizia o mestre:

“Um sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só,
mas sonho que se sonha junto é realidade”

(Raul Seixas)

Além de tudo isso, o aspecto psicológico da preparação é primordial. Nem sempre o Concurseiro é bem compreendido pelos que o rodeiam. Ainda mais por isso, é preciso ter determinação e encarar tudo com a consciência de que as adversidades durante a preparação são temporárias.

O concurso público não deve jamais ser visto como um fim em si mesmo, mas sim como um mero instrumento para se chegar ao fim.

O grande fim é o projeto de vida que se quer realizar, o sonho que se quer alcançar, a estabilidade que se quer conquistar, o casamento que se pretende ter, a família que se quer constituir, a vida melhor que se quer proporcionar.

E esse fim pode ser alcançado por qualquer pessoa que se proponha a fazer uma preparação séria. Não é preciso deixar de viver. Ninguém passa no concurso esquecendo que tem família, amigos, lazer, ou deixando de fazer aquilo que gosta.

É preciso, sim, renunciar a tudo isso um pouco. Mas na medida certa. Trata-se de abrir mão agora, em nome de uma conquista futura e definitiva.

E a conquista chegará:

“Boa noite, professor!!!

Meu nome é F., eu fui sua aluna no curso do TRE/TRT (...). Acredito que o senhor não vai lembrar de mim. Eu sempre questionava muito, tinha entrado no meio do curso... nunca tinha estudado o assunto Direito na vida. Eu tinha o sotaque diferente, sou carioca. Por circunstancias da vida tive a oportunidade de assistir às suas aulas.
Logo em seguida, eu parei de frequentar, pois retornei ao Rio. Continuei os meus estudos aqui. (...) peguei o audio das suas aulas com colegas. A turma era muito boa!!!!
(...)

Bem, estou escrevendo isso tudo para poder agradecer ao senhor por todo apoio, atenção e paciência(...). Tudo isso me ajudou bastante a dar um passo imenso!!!! Acabei de ser convocada para o TRT do RJ.
Quando nos dedicamos para um concurso... temos muita dificuldade... pois não basta o estudo, a dedicação, a disciplina... é preciso ter folego... acreditar que é possivel... nem sempre temos o apoio dos nossos familiares... por isso me sinto muito feliz de poder agradecer aos que me apoiaram (aos que me ajudaram a não deixar a peteca cair!!!) e compartilhar essa vitória que vai mudar a minha vida!!!
Desejo muito sucesso em sua vida!!! Que Deus continue iluminando o seu caminho!!!! Muito obrigada por tudo!!!!!!!!!
Grande Abraço!!!!!!!!!
F. B”.

Nesse dia, caro Concurseiro (a), no grande dia da vitória, nada pagará o gosto que se terá, a lágrima que se chorará, o riso que se dará, o amor que se irradiará, a paz que se alcançará e, acima de tudo, o sucesso que se celebrará.

Paz que terá sido mais do que merecida. Sucesso que será mais do que sagrado.
E que jamais será esquecido.


Por Orman Ribeiro (ormanribeiro@estrategiaconcursos.com.br)

Professor de Direito Constitucional em Salvador-Ba e
entusiasta do concurso público.

Nenhum comentário: