Aproveitar todo o tempo possível... Impossível?

Saluton*, minhas flores do dia e meus irmãos de luta!!!!!

Saudades de mim? Não tanto quanto eu estava com saudades de vocês!!!!

Nossa. Eu brinco às vezes com minha companheira que eu deveria abrir uma conta no Unibanco... Para meu dia passar a ter 30 horas. Mas eu mesmo respondo no momento seguinte: "Não dá, o Unibanco foi comprado pelo Itaú..."

Essa piada de graça duvidosa (riam, mesmo que forçadamente, please!) ilustra bem como estou. Com a impressão de que não conseguirei gerir minha própria vida, tendo em vista que a quantidade de problemas e afazeres é inversamente proporcional ao meu tempo disponível. E essa razão vai se estreitando à cada dia.

Mesmo eu estando afastado da vida de concurseiro, é como se eu ainda fosse (bem, concurseiro é concurseiro sempre...), pois estou no quarto período de Ciências Contábeis. Por EAD (Ensino à Distância). Fácil? Num primeiro momento, cometi esse ledo engano. Mas depois descobri que para estudar à distância, é preciso três palavrinhas, como diria Emmanuel: Disciplina, disciplina e disciplina. E, como disse, falta tempo e sobram afazeres. E nisso ainda tenho que encaixar os estudos da faculdade. Aí eu começo a falar a mesma língua de vocês, irmãos e irmãs concurseiros. Falar em como aproveitar o tempo disponível, da melhor forma possível.

Não venho para ser o senhor da verdade, mas sim falar como amigo, como irmão de luta, trocando idéias baseado no que já vivi - e no que continuo vivendo.

- Se você AMA ler tudo que vem à sua frente - o que é o meu caso - terá que direcionar o seu foco, por mais difícil que isso seja. Ou seja, o livro que você ganhou no Natal e estava na "agulha" para ser folheado terá que ficar um pouco mais na prateleira, e dar lugar à matéria que você terá que estudar. Mesmo que você deteste aquela matéria. Conviva com ela, e aos poucos você aprenderá a amá-la, e ela te retribuirá na mesma moeda. E depois da aprovação, você poderá comprar "n" outros livros para fazer uma fila bem bacana de livros para ler!!!!

- Se você ODEIA ler qualquer coisa, não tem paciência nem para ler bula de remédio pra dor de cabeça pra saber quantos comprimidos você deve tomar por dia - conheço muita gente assim - terá que direcionar o seu foco com mais afinco ainda. Ler é como andar de bicicleta - já pensaram nisso? Como todo hábito, no princípio é penoso, desgastante, dói, incomoda e faz calos. Depois vira exercício, dói um pouco, desgasta mas não faz tantos calos e nem incomoda tanto. Com o tempo ou o que era penoso vira prazeroso ou vira hábito. Mas o importante é isso: Mesmo que você não passe a amar a leitura, com o condicionamento você passa a tolerá-la, e se dar bem com ela. E isso é o que importa.

Odiando ou amando a leitura, ela será o pilar primordial de qualquer estudo, seja organizado ou desorganizado (lembrando que um estudo organizado é infinitamente melhor!). Agora como usar essa leitura toda? Aproveitando-a no seu tempo disponível. Por isso eu disse que (infelizmente) teremos que dar um tempo no que não diz respeito ao nosso estudo (vocês não tem idéia da fila de livros e revistas que eu não li e que quero ler nos fins de cada período!), e nos dedicarmos ao que interessa.

Mas "cê tá" maluco, Carlos? Que tempo? Mal tenho tempo pra dormir, comer...

Tem sim. Também pensava (e ainda penso, às vezes!) que não dá tempo pra nada. Aí é que entra a disciplina. Querem ver?

Para a turma que trabalha - Vai de "mercedão" pro trabalho? Aquele carrão com 50 lugares? Leva uma hora pra chegar? Sortudo, eu levo uma hora e meia!!! rs... Pega um livro, uma apostila (de qualidade, combinado?), um áudio de uma aula gravada, um áudio-livro, e manda ver! Certo que não dá pra realizar "altos" exercícios apertado num canto de janela ou se equilibrando pra não cair no corredor porque se sentou do lado de um parrudão e sobrou pouco banco pra se sentar... Mas dá pra ler uns capítulozinhos, uns artigos de lei, ler aquele resumo, mapa mental...

Deu azar e ficou em pé? Nem tudo está perdido! Mete uns áudios no seu "emepêtrês", no celular, no "áipode", e manda ver! De quebra, ajuda a passar o tempo e aliviar a dor nas costas e na panturrilha...

Pra turma que vai de carro - ou de carona ou no próprio carro - vale a dica dos áudios. Pen Drive, cartão de memória, "emepetrês", vale usar todas as armas possíveis. Se minha companheira, que é cadeirante, consegue se maquiar e ajeitar o cabelo no engarrafamento, vocês conseguem estudar também! Sim, confesso que se você estiver dirigindo não poderá usar fones de ouvido, e nem conseguirá prestar toda a atenção no que está tocando no rádio do carro, mas assim mesmo insisto na dica. Não conheço ninguém que bateu seguindo essas dicas com cautela!

Isso vale na ida e na volta. Sim. "Mas, Carlos, na volta bate aquele soninho, aquela vontade irresistível de babar no ombro do companheiro de viagem..." Sorry, mas não tem jeito. Força de vontade, café, coca-cola, lavar o rosto, vamos usar alguma dessas técnicas. Não, pelo amor de Deus, nada de drogas nem álcool! E se você for intolerante a cafeína, também não rola.

Se você é um trabalhador assalariado padrão, que leva meia hora na ida e meia hora na volta (e assim mesmo está sendo sortudo!), em uma semana você consegue cinco horas. Em um mês, VINTE horas. É quase um dia inteirinho de estudos que você ganhou!

Hora do almoço? Leva marmita, compra quentinha, marmitex ou qualquer similar? Ou vai pro "self service"? É, turma, força de vontade é primordial aqui. Não, você não precisará se alimentar de "pasta processada de astronauta" nem engolir a comida como uma fera carnívora (até porque o seu futuro cargo precisa de você inteiro, e não todo debilitado e ferrado do sistema digestivo!). E, muito menos, deixar de comer (a Administração Pública quer servidores, não faquires). Mas, infelizmente, você terá que deixar aquele papo gostoso regado a piadas e outras amenidades um pouco mais curto. Se você conseguir tirar quinze minutos do almoço pra estudar, isso se resume em uma hora por semana. QUATRO horas no mês. Pouco? Pode até ser em termos absolutos. Mas são 4 horas.

Assim, temos 20 x 4 = 24 horas. Um dia inteirinho.

Num mês em que temos, em média, 480 horas de dia útil (contando um mês com quatro semanas e cinco dias úteis em cada uma = 20 dias), 24 horas seriam 5% desse total. Conseguimos "cavar" cinco por cento de tempo onde aparentemente não existia, não é verdade?

Difícil? Sim, não nego. Mas com disciplina e força de vontade, dá pra conseguir, pelo menos, metade disso. Que seriam 12 horas. O que não seria nada desprezível!

Para terminar. Com certeza pensamos às vezes (quem nunca teve esse pensamento atire a primeira pedra) que "ah, se eu não trabalhasse, estudaria oito, dez horas por dia... o que deve ter de gente que deve estar se matando de estudar e eu ralando num trampo que não vai me dar futuro nenhum..."

Com essas medidas, com certeza você terá a impressão (não é impressão, é fato, mas o psicológico nessas horas ajuda muito!) de que você está estudando mais, e sua auto-estima aumentará... Já pensaram nisso? E estudando com força de vontade. Nem sempre com a qualidade de estar no aconchego do lar numa boa escrivaninha, ou numa boa sala de aula com um excelente professor, mas com força de vontade, fé e esperança no futuro. Enquanto o seu "modelo" que estuda oito horas pode estar se arrastando nas correntes da má vontade e não estar aproveitando nem uma hora de todo o tempão disponível que ele tem... (já pensaram nisso também?)


Flores e irmãos, fico por aqui. Espero ter ajudado.

Comentem, critiquem, puxem minha orelha, dêem pitaco. Esse espaco é de vocês, concurseiros!

Beijos e abraços a todos, muita paz, muita luz e muito sucesso!!!!!!


(*Saluton - "olá, oi" em Esperanto. Sim, além de tudo eu ainda achei um tempo para aprendê-lo!!)

5 comentários:

Iara Cristina disse...

Bom dia, Carlos!

Gostei muito do artigo. Estou na divisão dos que adoram devorar os mais variados livros, revistas... só não as bulas de remédio rsrsrs (não gosto daquelas letrinhas) e também percebi que neste mundo que vivemos hoje "a era da informação" é vital selecionar o que iremos ler. Ainda mais nós, que estamos em uma batalha por uma vaga no serviço público, ou, como no seu caso, trabalhando e fazendo EAD. Vi uma frase na net que é bem por aí: " As três coisas mais difíceis no mundo: guardar segredo, perdoar uma injúria e aproveitar o tempo."
(Benjamin Franklin). Nas duas primeiras costumo me dar bem rsrsrs mas na última confesso que preciso me aprimorar rsrsrs
Gostei muito do eu retorno. Fique na paz!!! Beijos, Iaia.

Carlos Amaral disse...

Iara, q bom q gostou!!! E a frase é bem interessante, mesmo. Aproveitar o tempo é difícil, requer treino e força de vontade. E são coisas q nem nos damos conta q podemos fazer!!! Beijos, muita paz e muita luz pra vc!!!

Drielle disse...

Muito bom o artigo, parabéns!
O meu problema são as distrações da internet, falo que vou só dar uma olhada no meu tempo livre no serviço e quando vejo já se passaram horas. Tenho que me policiar muito.

Drielle disse...

Muito bom o artigo, parabéns!
O meu problema são as distrações da internet, falo que vou só dar uma olhada no meu tempo livre no serviço e quando vejo já se passaram horas. Tenho que me policiar muito.

Carlos Amaral disse...

Obrigado, Drielle!!!!
Essa questão da Internet é um problema, mesmo. Temos q nos policiar, pois esse "trem" vicia. Vamos só dar uma olhadinha e de repente já estamos mais de uma hora voando e vendo coisas q não tem nada a ver com o nosso estudo! Como disse, é um exercício. Dói no início, mas é para o nosso bem maior, ou seja, a aprovação!
Beijos, muita paz e muita luz pra vc!