Por Kalel Jones: Proteja seu Otimismo


Em muitos casos, não é só a concorrência concurseira que deseja que não vamos bem nas provas. Algumas pessoas que nem pensam em prestar concurso torcem para que os seus conhecidos não passem e, não bastasse isso, para tentar garantir o fracasso alheio, procuram se mobilizar para atrapalhar o desenvolvimento destes, seja sabotando os seus planos, seja perturbando seu sossego,seja com palavras de desestímulo, seja de qualquer outra maneira torpe.


Entretanto esses ataques desmotivadores não atingem apenas os concurseiros. Uma banda super famosa, os inesquecíveis Mamonas Assassinas, também foi vítima de comentários infames. Talentosos, alegres e ousados faziam a alegria do povo com as suas músicas engraçadas e com as palhaçadas em palco. Com certeza, já eram assim muito antes de ficarem famosos, mas, apesar de tanto potencial, disseram a eles que era impossível que fizessem sucesso e tocassem em lugar onde se apresentavam artistas consagrados. A despeito disso, eles persistiram, ficaram conhecidos, ganharam dinheiro e se tornaram, na época, os artistas número 1 do Brasil.

E se eles tivessem desistido, ao receberem o primeiro ou o centésimo conselho negativo? Eu e muitos outros não teríamos o prazer de conhecê-los nem eles o prazer de desfrutar do sucesso e de se sentirem realizados.

(Re)Veja o desabafo de Dinho: http://g1.gl/?i=OZ94

Quando eu prestava vestibular, muitas pessoas diziam que eu não iria conseguir, mas duas, em especial, se destacavam, pois, enquanto as outras falavam uma vez ou repetiam raramente, aquelas procuravam checar, semanalmente, se eu havia desistido,realmente, caso não, renovavam o conselho.

Uma delas tentou vestibular, não passou e se formou em qualquer lugar. Dizia-me que só quem vai a baladas e viaja consegue passar em vestibular. (...?) Como eu não tinha recurso para nada disso, seria reprovado como ela foi. Ela também já estava infeliz, porque a faculdade que fez não proporcionou qualquer prosperidade. Essa experiência deveria ser um motivo para ela me incentivar, mesmo que eu não tenha lhe solicitado qualquer estímulo.

A questão que fica é: de que forma lazer torna uma pessoa mais capacitada?

A meu ver, o fato de um indivíduo sair para beber, dançar a noite inteira ou viajar não lhe agrega nenhum conhecimento útil para prova nem o torna mais apto a memorização.

Especialistas recomendam o contrário disso, haja vista o que falam na época de carnaval, tendo como exemplo um vídeo postado aqui, recentemente.



A outra cidadã, uma senhora de 50 e poucos na época, possuía apenas o ensino fundamental incompleto. Justificativa: “passa não! Fulana tentou, sicrana tentou e beltrana tentou, mas não passou, não! Ele (seu filho-eu) também não passa, não!”. Eu nunca dei ouvidos a essa senhora, por isso que ela tentava convencer os meus pais, semanalmente. Eu ficava muito irritado com isso, porque ela usava os meus pais para me atingir, os quais ficavam magoados com os comentários dela.

Demorei para passar no vestibular, então tive que aguentar muita encheção de saco. Interessante é que as duas pessoas que estavam tão preocupadas com a minha impossível aprovação no vestibular não ficaram felizes, quando o inesperado por elas aconteceu: duas aprovações minhas. A senhora que ligava semanalmente para os meus pais, muito contrariada e desanimada, me deu UM parabéns super sem graça. Nunca mais tocou no assunto.

A outra cidadã se calou, quando deram a notícia a ela. Depois de certo tempo, quando me encontrou por aí, ao acaso, nitidamente, fingiu felicidade para me parabenizar.

Posteriormente, começaram a temer que eu recebesse boas oportunidades do mercado de trabalho. Porém eu não queria mais a iniciativa privada. Essa minha intenção deu vida nova a elas. A Senhora toda animada, recomeçou a dizer que eu não iria conseguir passar em concurso. Argumento: “Prestei um concurso quando era nova, passei e não me chamaram. Tal fulana disse que concurso não chama ninguém!”. Quando eu disse: “eu vou ser chamado!”, ela suspirou retrucando: “você vai ser chamado, sim...” e encerrou a frase com uma gargalhadinha de deboche: “ha ha ha”.



Já a outra queria que eu me sujeitasse logo a um emprego na iniciativa privada, com remuneração aproximada de um salário mínimo, só para eu ficar com menos tempo para estudar ou desistir de concurso.

Quando fui nomeado em um concurso escada...

A Senhora ficou de boca aberta e disse que falaria para o filho prestar também; parabéns? Nenhum desta vez! Já a outra cidadã entrou em depressão.

Portanto, Pessoal, muito cuidado com conselhos provenientes de pessoas que acreditam em certas lendas, são preguiçosas para aprender e se acham incapazes. Algumas não querem fazer ou não fizeram nada para mudar suas próprias vidas e ficam se remoendo quando os seus próximos lutam para evoluir. Se eu tivesse aderido à idéia daquelas pessoas, eu não teria passado no vestibular, nem no concurso escada no qual tomei posse e muito menos em um outro cargo bem legalzinho (é escada também, mas é um dos tops de nível médio) no qual me classifiquei bem e provavelmente serei nomeado.

Há inveja não só de bem materiais, mas também de otimismo. Proteja este seu valioso bem, ignorando idéias que possam destruí-lo.


http://math.gmu.edu/~eobrien/photo.html


6 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns Kalel (B.C??rss) por sua jornada... temos que filtrar tudo que escutamos e ter fé e persistência!! Deus o abençoe e que logo seja nomeado novamente!!!!! F.S
.
Obs: um grande abraço a toda a galerinha desse blog!!! saudadeeee! Flor, catita, b.c, ninha... Boa sorte nos estudos!!!!!!!!!

Vinny disse...

Kalel grande história. Muitas vezes acontecem isso mesmo. No meu caso meus pais tantas vezes achavam que eu estava pirando, porque estudando, estudando e não passava em nada. E eu sentia que precisava me dedicar mais e não podia porque esse fato gerava um certo desconforto em mim, já que por causa disso eu acabava ficando triste. Infelizmente acabei prejudicado por tudo isso durante muito tempo por nao acreditar em mim, que seria possível conquistar.

E foi quando quase cheguei lá, vendo que faltou mais empenho e acreditar verdadeiramente em mim, é que pude então me curar disso tudo...

Hoje estou nessa busca mais fortalecido. E o segredo é acreditar e não desistir mesmo, como citou no texto.

Que você possa chegar onde sempre sonhou...

Abraços

Cleytonfernandes disse...

Nota 10 cara, gostei muito, parabéns. Confesso que fiquei meio receoso de ler a tarde quando a Cátia postou, pelo tamanho do texto (preguiça+Cansaço)rsr, mas foi uma leitura agradável recomendo que todos leiam, muito bom mesmo a sua história, parabéns e que Deus continue te abençoando. Abraço.

Kalel Jones disse...

F.S, espertinha...rs Existe alguma coisa que escape dos seus olhos?rs
Obrigado pelo comentário, pela parabenização, pela benção e por me desejar uma nova nomeação.
Até mais!
Beijão,
Kalel Jones

Kalel Jones disse...

Vinny, obrigado por compartilhar!
Uma grande história protagonizada por pessoas pequenas! Se eu pudesse escolher, não gostaria de não tê-la vivenciado. Porém algumas coisas perduram. Haja paciência!
Já ouvi o mito de que pessoas que estudam demais acabam ficando loucas. Não sei se os seus pais também ouviram.
Uma quase aprovação (chegar bem perto) significa muito para as pessoas, positivo ou negativamente. Já ouvi gente que desistiu porque chegou muito perto, mas não conseguiu; revoltou-se porque faltou tão pouco e jogou tudo pro alto. Já você resgatou a fé em sim mesmo por ter chegado tão perto. Parabéns pelo ânimo!
Obrigado!
Até mais!

Kalel Jones disse...

Cleyton, que bom que vc gostou do meu texto! Obrigado!
O próximo tentarei fazer menor, pois eu também não me sinto encorajado a ler texto longo.
Amém! Que Deus te abençoe também!
Abraço