Por: Cleyton- Nunca é o bastante.

CICLO DO 99 - nunca é o bastante


Certa vez um Rei que acordava em um dia muito feliz e no outro muito triste e ranzinza, começou a observar o seu Servo que em todos os dias apresentava uma alegria inabalável, sempre cantando e sorrindo.

O Rei curioso pela constante alegria do Servo resolveu perguntar qual a razão tão especial de infinita alegria.

O Servo meio sem saber o que falar, justificou que tinha tudo pra ser feliz: uma linda esposa, filhos saudáveis e responsáveis, uma casa simples, mas de sua propriedade, um coração que pulsa, olhos para observar as belezas do mundo, um corpo isento de imperfeições, pés para caminhar e correr, mãos para realizar o seu trabalho e fazer um cafuné nos filhos, sua liberdade para ir e vir. Insatisfeito com a resposta simplória, o Rei ordenou que ele revelasse o segredo da sua alegria de viver, sob pena de morte se não o fizesse: “Eu tenho tudo isso e muito mais e não sou sempre feliz!”

Por sorte do Servo, o Sábio do reino apareceu e pediu que ele se retirasse para explicar ao Rei o que tanto queria saber. “Ele ainda não caiu no Ciclo do 99, meu Senhor.”, disse o Sábio.

Para poder entender melhor o Sábio e o Rei foram mais tarde à casa do Servo e penduraram na porta de sua casa, de forma anônima, uma sacola com 99 moedas de ouro, juntamente com um bilhete: “Por você ser um homem bom e justo, estão aqui as suas 100 moedas de ouro.”

O Servo ficou eufórico, começou a gritar de alegria e a jogar as moedas pra cima. Depois de algum tempo ele organizou as moedas em pilhas de 10 e percebeu que uma delas só tinha 9 moedas.
Toda a alegria foi embora e só ficou a preocupação com a centésima moeda que estava faltando. Ele fazia contas e mais contas sobre como poderia conseguir obter a moeda faltante e para o resta da vida se tornou uma pessoa amarga, obcecada pela centésima moeda, planejando vender os seus bens e trabalhar ainda mais, deixando de usufruir a elevada quantia financeira.

A ganância pelo que não tinha cegou o Servo impedindo-o de ver o que ele acabara de ganhar: uma fortuna que jamais teria na vida. Ele não conseguiu perceber que suas 99 moedas de ouro eram os 100% que poderia ter naquele momento e a falta de uma única moeda acabou sendo mais valorizada que 99.( texto extraído do site: www.sougenius.com.br - Felipe lima)

" É incrível como não damos valor ao que conquistamos, embora o que nos falte seja algo exíguo perto do que temos; insistimos em nos preocupar com o que não temos ao invés de agradecer a Deus e ser feliz por aquilo que conquistamos durante a vida" (Cleyton F.)

" Veja o quanto que você já conquistou desde quando começou a estudar, dê valor a isso, não fique preocupado com o que você ainda não aprendeu, pois isso virá com o passar do tempo. Eu não quero que você fique acomodado(a), eu quero que você conquiste a cada dia mais conhecimento. Lembre-se a direção é mais importante que a velocidade, então siga no seu compasso sem se preocupar com o que ainda não aprendeu."  - Eu fico imensamente feliz quando vejo aquele sorriso verdadeiro, cheio de dentes, de orelha a orelha; olha, você é a imagem e semelhança de Deus, dentro de você habita um Deus poderoso, misericordioso, sublime, onipotente, onisciente...Sinta a presença de Deus na sua vida, você é capaz de conquistar o mundo, você tem uma força absurda. Pare de chorar e comece a realizar os seus sonhos: "Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima". Eu só peço que você dê, neste exato momento, aquele seu sorriso lindo, cadê? Está vendo? Bem melhor. EU ACREDITO EM VOCÊS! FORÇA GUERREIROS! Um abraço fiquem com Deus. Cleyton.

2 comentários:

Fabio Lucio disse...

Cleyton, seu texto é simplesmente fabuloso... quantos passam a vida buscando a centésima moeda, perdem a familia, a saúde, os momentos mais importante buscando uma coisa que na verdade sempre tiveram... Vou passar esse texto para meus alunos!

Aprendemos muito a cada minuto na vida, vezes rápido, vezes lentamente mas aprendemos... A paciência é chave...

Um grande abraço Cleyton!

Cleytonfernandes disse...

Pois é também gostei muito quando li pela primeira vez. Um abraço professor e boa noite.