POR CAROLINA - MEU DESABAFO





Noooossa! Hoje tem sido um dia de muita angústia por conta do concurso do MPU. Quando resolvi encarar toda essa história de concurso, estava empregada, mas totalmente insatisfeita com a minha remuneração e com as condições de trabalho – sou professora de Língua Portuguesa da rede estadual de educação do Rio de Janeiro. Vocês devem imaginar como é! Além de trabalhar, estava fazendo mestrado em Língua Portuguesa na UFRJ, mas, lá no fundo, sentia que a minha dedicação não iria me trazer retorno pessoal e financeiro a curto ou médio prazo. Então, um dia, conversando sobre as angústias de sala de aula com uma professora que estava fazendo doutorado, tomei coragem e fui super indiscreta: perguntei quanto ela ganhava. Pasmem! Com mais de 20 anos de profissão e sempre em processo de desenvolvimento da carreira, ela me disse, um pouco envergonhada, que ganhava algo em torno de R$ 3.000,00. Na mesma hora, desisti de tudo. Detalhe: não falei para ninguém que havia abandonado o mestrado, mas já resolvi esta história com minha família. Nem fiquei para assistir à última aula, fui direto procurar um curso e ver quais eram as opções de concurso no momento. Matriculei-me num curso preparatório para o TJ aqui do RJ (concurso, aliás, que não saiu até hoje!). No início, era tudo novo para mim, já que a minha formação em Letras só me ajudou, realmente, em português. Continuei trabalhando durante a semana e, aos sábados, passava o dia inteiro no curso! Sempre gostei muito de estudar, mas confesso que tive dificuldades em organizar meus horários de modo que pudesse me dedicar ao concurso.

Tenho uma grande amiga, a Isa, que, paralelamente a isso tudo, havia mudado de emprego, para ganhar praticamente o dobro do que ganhava na empresa anterior. Conclusão: largou o certo pelo duvidoso e foi despedida sem motivo aparente! Nem chegou a completar o período de experiência... Quando isso aconteceu, ela viu seu chão desabar! Fiquei, por conta desta história, morrendo de medo de empresa privada! Foi aí que ela realmente cogitou a ideia de virar concurseira... Eu já havia tentado convencê-la disso antes. Na semana seguinte, ela me ligou e disse que ia se matricular no curso do Banco Central e perguntou se eu não estava a fim de mudar o curso para que estudássemos juntas. Topei na hora! Começamos a assistir às aulas e a estudar sempre juntas na casa da mãe dela, que pego emprestada de vez em sempre... rsrsrs... Dividíamos tudo, desde material até momentos de alegria por finalmente entender algum conteúdo. Além das lágrimas, que eram muitas! Estudávamos de segunda a sexta-feira juntas em média 8 horas por dia e, depois, íamos direto para o curso. Aos finais de semana, estudávamos em casa sozinha.

Durante essa primeira fase de preparação, decidi deixar de trabalhar. Conversei com minha mãe – minha maior incentivadora – e ela me ajudou a bancar os estudos. Como ganhava muito pouco, não tinha nada guardado e estava afundada em dívidas, como, aliás, ainda estou... Espero que o concurso me ajude a resolver este problema! Continuando... Fiquei vivendo de mesada, aos 28 anos! O dinheiro sempre acabava antes do previsto, já que surgiam gastos com alimentação, transporte, livros, apostilas, xerox e tudo mais que vocês estão cansado de saber como é. Lembro-me como se fosse hoje das vezes em que eu e ela contávamos moedas para lanchar durante os intervalos das aulas. Lá se foram mais ou menos seis meses. Estávamos indo muito bem até que publicaram o edital, com as matérias específicas totalmente diferentes da do edital anterior. Aí é que o bicho pegou! Matriculamo-nos no curso de matérias complementares e, praticamente, só estudávamos e dormíamos! Como ficávamos muito tempo sentadas, a nossa única fonte de prazer era a comida. Conclusão: engordei quase dez quilos com essa loucura! Ela também engordou muito!

Bem, com o edital fresquinho, tive uma conversa franca com meu namorado e expliquei que não poderia lhe dar tanta atenção quanto antes, mas já não dava atenção há um tempo, ele me disse. Fiquei arrasada, porque não me dei conta de que esse negócio de concurso mexe tanto com a gente, que não nos percebemos como vamos nos isolando das pessoas que amamos. Fiquei uma pessoa chata para todo mundo, só falava de concurso e acreditava piamente na minha aprovação. Eu e a Isa dizíamos que só teria graça se nós duas passássemos! Torcíamos muito pelo sucesso da outra e continuamos assim até hoje. Era novembro e eu não conseguia mais estudar em casa, porque era um barulho infernal por conta de uma reforma que minha mãe estava fazendo aqui em casa. Como a situação estava difícil para o meu lado, conversei com a Isa e perguntei se poderia passar um tempo na casa dela. Ela concordou na hora! No dia seguinte, fiz duas malas: uma com roupas e outra, ainda maior, com materiais, etc., tudo o que precisávamos para estudar. Fiquei quase um mês lá, comendo, dormindo e estudando. Ela é uma amiga e tanto! Quase perto do Natal, já sentia falta de casa, mas ainda não podia voltar por conta da obra, então fui para a casa do namorado, que, mesmo sem muitas condições, arrumou um cantinho para eu conseguir estudar em paz. Estávamos juntos, mas super distantes um do outro, Além de namorados, éramos melhores amigos.

Hoje em dia, não estamos mais juntos, mas sempre que nos falamos, ele pergunta quando será a minha aprovação. São essas coisas que valem na vida! Era dezembro, a prova seria em 31 de janeiro e eu não conseguia mais estudar na casa dele por conta do calor (lá não tem ar condicionado), sentia que meus miolos fritavam. Faltando quase três semanas para a prova, descobri que o concurso para o Ministério da Saúde, para o qual havia feito inscrição, aconteceria no mesmo dia do Banco Central. Como as matérias eram mais ou menos comuns e caía muito Língua Portuguesa, deixei essa prova de lado e continuei dedicando todos os meus esforços para a prova do Bacen. Estava muito nervosa, chorava sozinha praticamente todos os dias! Encarei a prova como se fosse a última cartada, a última chance na vida! Muito ingênua eu era na época! Decidi não ficar mais na casa do meu namorado e fui apara a casa do meu pai que, apesar das condições, tinha um quartinho com ar condicionado para que eu pudesse estudar. Isso funcionou muito bem, mas ainda descontava todo o meu nervosismo na comida e continuava engordando a olhos vistos.

Estava cada vez mais isolada! Foi nessa reta final que acabei de assistir a todas as vídeo aulas que eu e a Isa havíamos adquirido – como eu disse, dividíamos tudo, tudo mesmo! Ficava bem mais barato e muito mais proveitoso! No dia anterior à prova, fiquei super nervosa, e revisei todo o conteúdo. Fiquei nessa até uma onze da noite. Tomei um banho, fiz uma oração e me deitei, mas quem disse que o sono vinha? Fiquei mais ou menos duas horas para conseguir dormir, uma loucura! No dia da prova, cheguei super cedo ao local de tão ansiosa que estava! Quando saí, meu namorado me esperava e insistiu para que eu fosse fazer a prova do Ministério da Saúde. Não estava com a menor vontade, mas como até contra mão na Linha Amarela ele fez, achei que seria uma falta de consideração com ele se não fizesse o exame. Cheguei em cima da hora e, assim que entrei, a prova começou a ser distribuída. Fiz a prova calmamente, não sabia algumas questões, mas resolvi chutar. Antes não tivesse feito isso, faltou-me estratégia! Também estava tão cansada que nem pensei nisso, deixei a coisa rolar. Conclusão do dia 31 de janeiro de 2010: fiquei reprovada no Bacen e em trigésimo oitavo lugar no Ministério da Saúde. E o pior de tudo: fiz prova para um cargo em que havia somente doze vagas! Cheguei bem pertinho! Bem, hoje penso que não era para ser.

Sabe que depois de estudar como louca, precisei de um tempo sem fazer nada. Absolutamente nada! Ainda assim, matriculei-me no curso preparatório para o MPU, mas, no início, somente ia às aulas. Chegava a casa e nem queria saber de livros, cadernos, etc. Só queria relaxar! Acho que comecei sem ter a mínima noção do quão estafante é a caminhada! No momento, aposto as minhas fichas no MPU, mas, enquanto não houver nomeação, continuo na batalha. Ah, fui nomeada novamente para ser professora do estado e... aceitei! Já tomei posse e começo a trabalhar dentro de duas semanas. Embora não seja o trabalho dos sonhos, vai, pelo menos, suprir a minha carência financeira imediata e permitir que eu dê um descanso para minha mãe. Hoje, continuo estudando muito, mas comecei a me cuidar. Vou à academia todos os dias e já perdi 6 dos dez quilos que ganhei. Essa mudança reflete na minha auto-estima, no meu desempenho nos estudos. Mexer o corpo é ótimo para a mente.


-------------------------------------------------------------------


Sua história reflete a realidade de muitos leitores no Blog. O que mais me chamou atenção é a amizade que você construiu e firmou neste mundinho tão competitivo que nos enfiamos.

Vocês nos enchem todo dia um pouco mais de motivos para continuarmos com os pés fincados nesta estrada. Exemplo a seguir. Criamos um mundo de "Concursando" só nossos. Por que para a maioria das pessoas lá fora somos um bando de loucos e preguiçosos. Mas, somente nós mesmos para entender o quão árduo tem sido. Nossas dores são as mesmas, talvez de forma diferente, no entanto, lá na frente, com certeza nos encontraremos, nos abraçaremos com força e num breve momento poderemos nos fitar e dizer:" CARA, VENCEMOS"!!! "CARA, PÔ VENCEMOS"!!!


Carol, que suas bençãos venham na mesma proporção dos seus sacrifícios.

Está no caminho certo. Falta só um tantinho a mais. Continue....


Abração de Ursa.

C.P

12 comentários:

Mandys disse...

Eu já havia lido e respondido para a Carol, mas nunca é demais falar que todo esse esforço um dia será recompensado... Deus é fiel e justo, só alcançam a vitória aqueles que acreditam e que nao desistem... miga, Carol a sua vitória virá na mesma proporção dos seus esforços.

Como bem diz a letra da musica do Renato Russo: " Nunca Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem ou que seus planos nunca vão dar certo ou que você nunca vai ser alguém.... Se você quiser alguém em quem confiar, confie em si mesmo..QUEM ACREDITA SEMPRE ALCANÇA...!

CatiaPipoca disse...

Adoro essa música do Renato Russo!!
.
Deus é justo mesmo e tenho certeza absoluta que o que do Homem o DIABO não come. Aquele que batalham sus próprias batalhas e ultrapassam os próprios limites, inevitavelmente e consequentemente, tendem a chegar com mais rapidez ao topo da montanha.

Anônimo disse...

Fazia tempo que não lia um depoimento tão verdadeiro e contundente; lembrei-me de uma frase de Kafka que cabe bem, adaptada, aqui: "há muita esperança, só não para os professores."
Caramba, esse mesmo desespero passei no concurso do BACEN, como desejei esse concurso, mas não deu.
Força, menina, cabeça erguida, espada à mão, a batalha continua.
Rtk

Anônimo disse...

Carolina, não entendi muito o seu desafabo.
Começa a tremer pelo MPU e termina falando sobre o Bacen..rs
Nem sei o que comentar!rs O MPU foi totalmente esquecido!rs

Você nem comentou como foi a sua batalha para fazer o MPU.

Não sei se prestou sem estudar.

Não entendi qual é o desabafo!


Ah! É porque vc engordou?

A mensagem que ficou em mim foi a dica para emagrecer, cuidar do corpo, porque isso contribui para a auto-estima; e usar ar condicionado.


Não sei se foi um desabafo ou se foi dica.



E o MPU?
Ficou bem vazio nesse seu relato!
Você deve ter mudado o foco, eu presumo.



Sem entender,

Brás Cubas

Anônimo disse...

Carolina, realmente, vc falou sobre a sua preparação para o MPU.


"matriculei-me no curso preparatório para o MPU, mas, no início, somente ia às aulas. Chegava a casa e nem queria saber de livros, cadernos, etc. Só queria relaxar"



Devo ter me esquecido, porque a essa sua preparação não te sufocou, não te fez sofrer, vc estava bem relaxada.

Mas quem sabe não acontece o mesmo que ocorreu no concurso em que vc fico uem 38, né?! Não estudou muito para ele e teve um bom resultado.


Boa sorte, então.


Brás Cubas

Anônimo disse...

[º_º] Mais uma imagem meu amigo...

Anjo...Anjo...Anjo

Descruza teus braços
Solta tuas pernas
Alicerça seus estudos

Queres voar?
Pra onde vais?
Com quem vais encontrar?

Lança teu vôo em direção ao infinito
Primeiro, sinta a força da terra que te alicerça
Ela amigavelmente te dá o apoio para que partas

Partir?
Pra onde?
Com quem vai?

Objetivas do futuro
Mostram-nos o presente, traça-nos o caminho
Vou sozinho ou com quem queira ir, mas vou...

Anjo...Anjo...Anjo

Não te envergonhes de ser Anjo
Mostre-se! Apoie-se em tua terra! Vá!
Tua espada é tua força de vontade!

Os que nos ajudam nos acrescentam.
Os que nos impedem apenas nos provam.
Os que nos acompanham agradecem.

Anjo...Anjo...Anjo

Voamos porque sabemos aonde pousaremos...
Simples assim...
Voe...

Anônimo disse...

Brás Cubas:
"há nele uma gota da baba de Caim."
Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Anônimo disse...

Brás Cubas:
"Vives, não quero outro flagelo.
Sim, verme, tu vives. Não receies perder esse andrajo que é teu orgulho."
Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Rtk

André Vasconcellos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André Vasconcellos disse...

Texto simplesmente espetacular. Reflete de forma nítida a nossa vida de concurseiro, nossas angústias e agonias, estas que talvez nunca havíamos pensado sofrer, muito menos nessa idade (citou 28 anos - também giro em torno desta). Realmente é um desabafo mais do que válido. As vezes, por desespero e aflição de estarmos vendo o tempo passar e nada ser feito, nos jogamos mais do que de cabeça nesse mundo de concursos. Assim, para tentar compensar o tempo perdido, queremos engolir todos os livros e consumir todas as horas que temos,com dedicação total ao estudo. Isso, na minha opinião é um reflexo do desesperode querer mudar a realidade. Obviamente que com o tempo vamos aprendendo a encontrar a estratégia correta e principalmente vamos aprendendo a organizar nosso tempo, de maneira que não nos consumamos desesperadamente e auto-destrutivamente. Mas nunca olhe para trás com olhos de arrependimento pela estratégia mal empregada mas sim com olhos de satisfação por ter caminhado por um caminho tortuoso e ainda hoje estar de pé, mais perto do seu objetivo.

Afinal, aquela atitude desesperada de principiante só fez crescer, foi e é parte integrante do percurso.

No fim, tenho certeza de que tudo dará certo. Aquele que persegue o sonho de aprovação no concurso E estuda e se dedica na proporção exata de sua vontade, passará, este passará.
No fim das contas, vemos em nossos companheiros/concorrentes o espelho de

nossas atitudes e isso nos ajuda a perseguir o sonho porque vemos que não estamos perdidos, não estamos sem rumo e sim seguindo um caminho ordinário,comum, que já foi percorrido por todos aqueles que hoje estão num posto de sucesso.

Abraços e muito sucesso.

André Vasconcellos.
Advogado e concurseiro

http://cumulodasaturacao.blogspot.com/

Anônimo disse...

Abaixo a cabeça e me prosto diante de ti Oh! Humildade
Aproxima-se o carrasco com suas vestes impecáveis
A força do orgulho de cumprir a lei o impulsiona a levantar o machado
Com precisão cirúrgica cumpra-se a lei
Com precisão infinita, a fina linha que divide passado e futuro se define
Andrajo de outrora, esconderijo de orgulhos ínfimos e infinitos
Marcado pelo machado manchado de sangue
O candidato cai diante da prova
Morre por uma prova mal acabada
Volta e continua a estudar
Pois afinal das contas é somente uma prova
Nada há para se orgulhar, nem mesmo há o que lamentar
Apenas estudar...

Márcia Ribeiro disse...

"Nunca vi um justo sem resposta ou ficar no sofrimento.."
A nossa hora vai de chegar! Confie! Lute!!!
Beijos Carol