Blog da Cátia Pipoca - Dicas de Concursos Públicos

NÃO CONSIGO PASSAR DENTRO DAS VAGAS /NEM CLASSIFICAR BEM EM CONCURSOS PÚBLICOS.O QUE FAZER?

Nem sempre quem passa é o mais preparado intelectualmente, necessário que haja comprometimento da parte do concursando, para tanto é imprescindível o segmento de três técnicas básicas de estudo: organização e planejamento; estudo propriamente dito e realização de provas.





.
ESTOU DESÂNIMADO(A)!!!!

Estudar requer motivação, ter em mente um resultado, uma recompensa para que o estudo não se torne algo stressante, por isto arrume uma forma para se motivar, pense no que você vai ter se conseguir passar em um concurso. Pense nas oportunidades, no que vai poder conseguir com o novo cargo, pense no financeiro, no quanto sua família vai ficar feliz e orgulhosa de você.
Diga a si mesmo: não vou parar até conseguir realizar o sonho e, a partir disto, lute com perseverança para alcançar seus objetivos. Todo candidato tem muita pressa em ser aprovado, mas tenha sempre em mente que “concurso não se faz para passar, mas até passar”, só não vale desistir.
Estude cada vez mais, pois é devagar que se consegue adquirir conhecimento, ninguém nasce sabendo, uns precisam de poucas horas de estudo para aprender e outros de muitas horas, mas não quer dizer que um pode mais do que o outro, portanto, faça a diferença.
Faça aliados, mas coloque em sua mente que seu principal aliado é você mesmo você pode ser seu melhor aliado, mas também pode ser seu inimigo, se for seu aliado tudo vai andar mais rápido, portanto, comece a se ajudar e terá uma grata surpresa, pois o estudo vai ser mais agradável e você passará muito mais rápido.
Você tem outros aliados com os quais pode contar: sua família, Deus, amigos, mas, se sua família está atrapalhando, você vai ter que passar no concurso assim mesmo. Se você souber se organizar, sua família pode ser aliada, preste atenção se você não está contribuindo com esta falta de harmonia. Tente separar algum tempo para sua família.
.

1.ANTES DE ESTAR INSCRITO NO CONCURSO.
1.1.Identifique, inicialmente, qual o tipo de concurso você vai querer prestar: concurso exclusivo para as carreiras jurídicas (juiz, promotor, procurador federal, advogado da União, procurador do Estado etc) ou concursos que não são privativos de portadores de diploma de bacharel em direito (fiscal, auditor, analista do TCU etc). Observe que os programas de um e de outro grupo variam consideravelmente, razão pela qual você deve decidir previamente se vai investir em matérias não-jurídicas. Por exemplo, se você quer ser juiz, não estude matemática ou contabilidade (deixe para depois de passar no concurso).
.2.Feita a escolha acima, será preciso afunilar um pouco mais. Isso não significa que você vai escolher um único concurso para prestar, ainda que seu sonho dourado seja ser, por exemplo, Promotor de Justiça em Santa Catarina. Pode ser (por qualquer razão) que você, por mais que tente, não venha a passar na prova escrita ou oral e aí vai se frustar. Mas é preciso concentrar em um grupo específico de matérias. Por exemplo, se você quer ser Procurador da República, não deve se concentrar nas matérias de direito privado, mas sim nas de direito público. Se você quer ser Juiz de Direito, deverá estudar direito civil de forma aprofundada, mas não deverá estudar direito previdenciário. Se você quer ser Juiz Federal ou procurador federal, deverá estudar direito previdenciário etc. 1.3.Duas matérias são necessárias para qualquer concurso: DIREITO CONSTITUCIONAL e DIREITO ADMINISTRATIVO. Se você está em dúvidas sobre qual concurso prestará, comece estudando por elas!
1.3.1.Estude português (ainda que vc. pense que saiba e que não precisa).
1.4.Escolha um concurso que você acha que REALMENTE tem chance. Se você não acreditar que tem reais de chances de estudar e passar na prova, pare por aqui: vá fazer outra coisa. É fundamental estar ABSOLUTAMENTE convencido de que você tem chances de estudar e passar. Se você for um sujeito inteligente, mas não estudar, certamente não irá passar; se você for medianamente burro e estudar arduamente, vai passar (não é demagogia: converse com algumas pessoas que já passaram e veja por si só). Agora, se você é burro demais, aí também não tem jeito (mas se você está lendo este texto, é porque tem um grau de esperteza suficiente: portanto, vá em frente!).
1.5.Identificado qual o concurso você quer (ex. Juiz Federal), estude primeiro o programa dos concursos anteriores. Veja quais são as matérias e pontos constantes dos programas dos concursos anteriores. Há alguma matéria que você simplesmente é péssimo? Muito bem, uma possível estratégia é começar estudando por essa matéria: aí vc. aprende e passa a confiar mais na sua capacidade de aprendizado. Você não precisa ser expert em todas as matérias, mas é preciso saber ao menos o básico em todas elas.
1.5.1.Além disso, a idéia é que vc. acerte ao menos as questões FÁCEIS nas matérias em que é pior. Todo concurso tem questões FÁCEIS, MÉDIAS e DIFÍCEIS. Para acertar questões FÁCEIS é preciso uma quantidade pequena de estudo (esforço). Já para acertar questões DIFÍCEIS, a quantidade de esforço é proporcionalmente muita maior. E é assim não porque as questões são, em si, mais difíceis, mas sobretudo porque quanto mais se aprofunda em uma matéria ou em um ponto da matéria, mais conteúdo há para ser estudado.
1.5.2.Portanto, a probabilidade de se cair algo básico e fácil de aprender em cada matéria é muito grande; já aquele ponto difícil, que vc. só achará em um livro de um autor estrangeiro, é proporcionalmente menor.
1.6.Agora que você já identificou o cargo que quer, já sabe quais são as matérias que deve estudar, o primeiro passo é verificar E FAZER as provas desses concursos anteriores. Veja o que caiu mais, o que vc. está acertando, o que está errando, o que precisa melhorar etc. Pode ser até que vc. conclua que está muito “verde” para esse concurso e decida, com uma dose de sensata humildade (grande e rara virtude) fazer um outro concurso.
1.7.E não se esqueça de ir fazendo as revisões. Imagine que o concurso tem, por exemplo, nove matérias. Divida essas matérias em, por exemplo, três grupos de três matérias cada. Comece assim (EXEMPLO):
Dia 1: primeiro ponto da primeira matéria do primeiro grupo
Dia 2: primeiro ponto da segunda matéria do primeiro grupo
Dia 3: primeiro ponto da terceira matéria do primeiro grupo
Dia 4: revisão dos três pontos estudados
Dia 5: segundo ponto da primeira matéria do primeiro grupo
Dia 6: segundo ponto da segunda matéria do primeiro grupo
Dia 7: segundo ponto da terceira matéria do primeiro grupo
Dia 8: revisão dos seis (!) pontos estudados
Dia 9: terceiro ponto da primeira matéria do primeiro grupo
E assim por diante…
Evidentemente, você pode (e deve) alterar esse esquema, de acordo com suas necessidades, seu tempo, grau de dificuldade de cada matéria etc. O que importa é o princípio da coisa: ESTUDAR e REVISAR.
1.8.É preciso sofrer para passar no cargo que quer? Não, não redondo! Se vc. tem tendência masoquista, acha que o sofrimento leva à salvação, pare de ler este texto agora. Vá para uma dessas igrejas com um código de conduta bem rígido, que não permite nada, exceto pagar o dízimo para o padre ou pastor, quero dizer, “para Jesus”… Porém, se o que vc. quer é passar no concurso, não é preciso nem pode existir sofrimento: é necessário ESFORÇO e RESULTADO.
1.8.1.Esforço e sofrimento não são, necessariamente, expressões sinônimas. Tem gente que adora estudar para essas pessoas, estudar é um prazer. Normalmente são essas pessoas que, quando inteligentes e ambiciosas, obtêm os primeiros lugares nos concursos. Ou seja, quem passa nos primeiros lugares não são, necessariamente, os mais inteligentes, mas aqueles que, com grau razoável de inteligência, gostam de estudar. Isso não significa que pessoas como eu e você, que só estudam porque precisam, não irão passar no concurso: vão sofrer um pouco, mas só o necessário para passar no concurso!
1.8.2.Identifique a forma que você rende mais: se é grifando o texto, se é fazendo resumos etc. Não se esqueça de estar SEMPRE fazendo revisões. Se você passar uns dez dias sem revisar o que estudou, vai esquecer. Não perca muito tempo em cada ponto, não aprofunde demasiadamente. Com o tempo, você saberá o quanto deve gastar com cada ponto e o quanto de tempo deve usar em revisões.
1.8.3.Vai fazer a monografia de fim de curso? Escolha um tema amplo, que servirá como base para os concursos que deseja. Se vc. pegar um tema muito específico ou, pior, que não cai em concurso, estará gastando energia com algo que não irá lhe beneficiar muito (ou nada) nos concursos. Escolha um orientador que oriente (sei que é difícil…), optando pelo que dará menos ênfase nas “normas” da ABNT e mais ênfase no conteúdo (concursável!) da sua monografia. Normalmente, um professor com perfil mais “acadêmico”, sem outra atividade profissional, dará mais ênfase nas normas da ABNT e em outras “regras” formais na elaboração da sua monografia; já um professor que tem outras atividades além de ser professor, provavelmente dará mais ênfase no contéudo. Enfim, decida se vc. quer gastar seu tempo com estudo para concurso ou com estudo para outras coisas que não são concursáveis. Você tem de saber o que quer da vida: estudar para concurso ou fazer carreira acadêmica em universidade pública?
1.8.4.Ou seja, tenha sempre em mente que vc. precisa direcionar seus esforços para um fim pré-determinado. E mais: você quer UM MÁXIMO DE RESULTADO com UM MÍNIMO DE ESFORÇO.
1.8.5.O cara mais inteligente consegue mais resultado com menos esforço. Mas se ele não estudar muito, o resultado será pequeno em valor absoluto. Já o burrão consegue pouco resultado com muito esforço. Mas se ele estudar muito, mas muito mesmo, seu resultado será grande em valor absoluto.
1.8.6.Se vc. não é um dos mais inteligentes, nem um dos mais estudiosos, precisa ser um dos mais espertos: precisa saber onde irá canalizar suas energias, para obter o melhor resultado. Isso significa escolher bem qual o concurso irá fazer e o que irá estudar. Ler este texto já é um bom começo, mas se vc. não aplicar o que leu não adianta nada.
1.9. Caso vc. veja que está indo bem no estudo do concurso que escolheu, vem a pergunta: devo fazer outros concursos? Sim, desde que o conteúdo das provas seja similar. Por exemplo, se você quer ser Juiz de Direito, não se inscreva para Procurador da República. Se você quer ser Juiz Federal no Rio de Janeiro, poderá prestar o concurso em São Paulo ou mesmo fazer o concurso de procurador federal.
1.9.1. Ou seja, é vantagem fazer um concurso “trampolim”? Imaginemos que você quer ser Juiz Federal, deve fazer o concurso de procurador federal? Depende. Se você está trabalhando em uma área cujo conteúdo está fora do programa do concurso de Juiz Federal, é evidente que é vantagem ser procurador federal, pois provavelmente irá trabalhar com matérias que lhe ajudarão no concurso.
1.9.2. Mas se você está em casa só estudando em um ritmo legal, ir correr atrás de processo no fórum não é, evidentemente, uma boa idéia, salvo, é claro, se você precisar do dinheiro para se sustentar. Fazer a prova é sempre um excelente exercício, mas tomar posse em um determinado cargo que não é o desejado exige alguma meditação.
1.10.Passou e assumiu em um cargo que não é o do sonhos? Continue estudando e não tenha a pretensão de ser um ótimo funcionário no cargo em que estiver. Tenho visto muitas pessoas que são péssimas no trabalho sendo aprovadas para cargos melhores. Será que são ruins e “fraudam” os concursos? Não, estão apenas canalizando seus melhores esforços para seus estudos e não para o trabalho. Isso pode até não ser moralmente legitimo, mas também não chega a ser desonesto e é a regra do jogo: quem quer passar tem que estudar. Mas também não precisa ser vagabundo no trabalho, dose corretamente a necessidade do seu estudo com a necessidade do seu trabalho. Não seja ingênuo ou otário, mas tenha caráter. Lembre-se que o povo brasileiro é quem paga o seu salário e precisa do seu trabalho.
1.11.Leve uma vida normal: vá para as baladas, encha a cara, tenha namorada(o) (se você tiver um noivo, não deixe de casar!!! Isso está mais difícil do que concurso!!!), faça viagens, tenha hobby etc. A jornada pode ser mais longa do que você pensa. Não desista no meio do caminho: a volta será mais árdua.
1.12.Rezar/Orar adianta? Falando sério, se vc. for uma pessoa que REALMENTE acredita no poder da oração, rezar adianta. Sério, cara, adianta sim, pois isso o fará se sentir seguro de que poderá obter sucesso e, assim, irá estudar com afinco. Então reze, meu amigo, reze mesmo. Ou seja, o sucesso da sua oração depende apenas da sua fé.MAS ESTUDE TB!!!!Não vai ficar achando que JESUS VAI LÁ COM VC ASSOPRAR NOS SEUS OUVIDOS O GABARITO SÓ PQ VC TEM MTAAAAA FÉ!!!
1.12.1.Se vc. gosta de mim e quer meu bem, pode até rezar/orar para mim, mas peço que quando passar em um concurso me mande um e-mail dizendo que está feliz com o sucesso obtido.

1.13.Não leve à sério as pessoas que dizem que concurso público é 100% mutretado (quem diz isso é gente que não passou). Que há trambique, há. Mas isso não lhe impedirá de passar e assumir um cargo público. Também não leve a sério gente que passou e depois diz que é fácil passar, que estudou pouco etc. Meu amigo, contar vantagem é muito fácil e eu lhe digo: ninguém ganha de mim em matéria de contar vantagem (frase por si só incontestável). Agora, para passar em concurso tem que estudar - e muito. E digo mais: está cada vez mais difícil, embora os salários estejam menores que na década de 90…


....
- Leia o programa do concurso. Divida o programa em tópicos e faça a programação do que vc. vai estudar a cada dia, de modo estudar todo os tópicos em 75% do tempo que falta para a prova. É preciso, a cada dia, estudar os pontos que vc. planejou previamente. Não se iluda achando que no dia seguinte vc. vai “compensar” o estudo do dia anterior! Por isso disse que o cara tem que ser disciplinado para isso dar certo! Os 25% dos dias restantes é para revisar o que tiver estudado (ou seja, todo o programa).

2.6.No dia da prova, leia as instruções da prova. Você não gastará mais de cinco minutos. Não entre em pânico. Leia TOTALMENTE o enunciado de cada uma das questões antes de respondê-las. Parece óbvio, mas muita gente perde pontos de forma tola por não ler atentamente o enunciado. Acha que é fácil, faz rápido e erra…
2.7.Quanto a questões dissertativas, leia primeiro cada uma delas e medite por um ou dois minutos. Não responda nada: vá para as questões objetivas (se existirem), faça um rascunho ou anote à parte os pontos que vc. abordará, para ter certeza de que não vai esquecer durante a elaboração da resposta (e, é claro, siga o seu roteiro). Calcule o tempo que vc. gastará. Depois de responder as questões objetivas, faça as subjetivas (o seu subconciente trabalhou durante o tempo que vc. fez as questões objetivas). Depois revise as objetivas (se tiver tempo) e passe a limpo as questões subjetivas (se vc. fez rascunho).
2.8.Toda dissertação deve ser composta de INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMENTO e CONCLUSÃO. Isso, inclusive, é avaliado como forma de se obter a nota do candidato. Normalmente, vc. usará um ou dois parágrafos para a introdução; quatro a oito para o desenvolvimento e um ou dois para a conclusão. Evidentemente, isso dependerá do tamanho da dissertação. Vc. pode usar esse modelo também para questões subjetivas, dependendo do caso.
2.9.Como são avaliadas as questões subjetivas ou dissertações? É importante saber isso, para saber como você deverá responder a questão ou elaborar sua dissertação.

- Se para responder a questão for preciso abordar os aspectos X, Y e Z: não abordou nenhum deles, é nota zero. Falou de W, mas W não foi objeto da questão: parabéns por saber W, mas leva zero do mesmo jeito. Aprenda a ler o enunciado e não tente me enrolar porque não sou trouxa.
- Falou 50% de X, 50% de Y e 50% de Z. Leva metade dos pontos atribuídos a conteúdo.
- Falou só de X, com resposta completa. Leva 1/3 dos pontos atribuídos a conteúdo.
- Falou corretamente de X, mas fez uma afirmação errada: leva os pontos correspondentes a X, com o desconto proporcional ao erro cometido. E assim por diante…
-A resposta está estruturada com introdução, desenvolvimento e conclusão; o raciocínio é linear e claro; a linguagem é adequada (putz, este texto não receberia boa nota nesse aspecto!..): leva toda a pontuação referente a forma.
Às vezes as regras do edital estabelecem critérios diferentes - aí eu sigo esses critérios, mas sempre buscando padrões objetivos para corrigir as provas, procurando criar o menor número de injustiças possível. Acredite: corrigir prova subjetiva é uma arte!
2.9.2.Portanto, veja se o edital diz algo a respeito e no dia da prova tenha em mente essas regras - É MUITO IMPORTANTE. Não queira ser o bacana, não queira mostrar que sabe direito em geral: apenas escreva o que está sendo pedido, da forma mais clara e mais completa possível.
2.9.3.Se você não souber NADA do que a questão pede, aí escreva qualquer coisa que vc. achar que tem alguma pertinência: se eu não for o examinador, pode ser que vc. ganhe alguma coisa. NÃO DEIXE NENHUMA QUESTÃO EM BRANCO.
2.10.Na prova oral, comporte-se adequadamente. Use um terno azul escuro, cinza ou preto; se você for mulher, vista-se adequadamente para uma ocasião solene (prova oral não é para ir com vestido de festa). Não discuta com o examidor (ainda que ele saiba menos que você). Deixe o examinador pensar que você o admira. Não ache estranho se o examinador lhe fizer uma pergunta pessoal (ex. por que vc. quer fazer concurso aqui? Você é casado? Por que vc. não usa aliança?), pode ser que ele queira apenas quebrar o gelo. Há examidores que querem e examinadores que não querem te prejudicar. Se o examinador tentar te humilhar, não dê uma resposta grosseira, mas demonstre que vc. não se sentiu rebaixado. Quando lhe perguntarem algo que você sabe, aproveite, deite e role, dê respostas MUITO completas. Não dê uma resposta curta. Você pode tentar deixar algo propositalmente sem responder, para ver se eles perguntam exatamente isso em seguida… Pode dar certo. Use o seu sexto sentido. Se lhe perguntarem algo que você não sabe, dê a resposta genérica e exemplifique com algo que você sabe, mas sem ser completo. O examinador possivelmente irá perguntar em seguida sobre o exemplo: você responde e terá se saído bem em uma pergunta que não sabia a resposta! Assista às provas dos outros para ver como age a banca. Leia os livros e textos dos componentes da banca.
2.11.Estude sempre e ajude as pessoas: fazendo isso vc. estará contribuindo para um mundo melhor (não é breguice), um país melhor e para o fim de toda a opressão que existe no mundo (sim, o conhecimento liberta! Algum dia a Idade Média só existirá nos livros). E, é claro, receberá o prêmio por seu esforço: um cargo legal, com um salário justo.
3.DEPOIS QUE VOCÊ PASSAR NO CONCURSO.
Regra única: se não for o concurso dos sonhos, continue estudando. Se for, não fique babaca, não fique se achando uma pessoa melhor só porque assumiu um cargo bacana. Você pode (e deve) sentir-se muito orgulhoso por ter passado na prova, mas não é (só) isso que lhe faz ser uma boa pessoa. Continue sendo gente. Não sofra mais do que precisa no exercício do cargo, mas também lembre-se que é o povo brasileiro quem paga o seu salário. Cumpra a sua função, faça a sua parte. Não seja canalha. Não seja corrupto. Não se iluda. Não humilhe as pessoas. Se achar que sabe muito, ajude os outros.
BOA SORTE!!!(opiniãoWeb)....CATIA CILENE.

3 comentários:

olinda disse...

queria saber se alguém acha que tenho alguma chance de passar em um concurso acertando 23 de 40 questões?

Concurseira p/ concurseiros(as) disse...

Olinda,menos de 60% passar vc pode at[e ter passado,mas dentro das vagas acho mto dificil.Vai depender da qtidade de inscritos e para qual vc prestou.Mas,acho quase impossivel,pois hj em dia a concorrencia está fogo!!!Boa sorte.

Alessandra disse...

Adorei o blog sou uma concurseira assidua vivo estudando mas sempre consigo só nos cargos com salário baixo!
O que faço tenho que facar tentando isso as vezes cansa!