O vinho e a água (Motivação)


Nos Alpes Italianos existia um pequeno vilarejo que se dedicava ao cultivo de uvas para produção de vinho. Uma vez por ano, acontecia uma grande festa para comemorar o sucesso da colheita.

A tradição exigia que nessa festa cada morador do vilarejo trouxesse uma garrafa do seu melhor vinho, o de maior sucesso, para colocar dentro de um grande barril, que ficava na praça central.

Um dos moradores pensou: “Porque deverei levar uma garrafa do meu mais puro vinho? Levarei água, pois no meio de tanto vinho o meu não fará falta.” Assim pensou e assim fez.

Conforme o costume, em determinado momento, todos se reuniram na praça, cada um com sua caneca para provar aquele vinho, cuja fama se estendia muito além das fronteiras do país.

Contudo, ao abrir a torneira, um absoluto silêncio tomou conta da multidão. Do barril saiu… água!

“A ausência da minha parte não fará falta.” 
Foi o pensamento de cada um dos produtores… Muitas vezes somos conduzidos a pensar “Tantas pessoas existem neste mundo! Se eu não fizer a minha parte, o meu trabalho, isto não terá importância.” Será?

Você sempre tem que estar motivado para fazer a sua parte, tenha um pensamento diferente dos outros e faça o seu trabalho, independente do que os outros possam estar fazendo.


Beijos, Luciene Lima. 
 

Abra os olhos antes que seja tarde (Motivação)


Certa vez um fazendeiro preocupado com a situação de sua fazenda, chamou um amigo muito rico e lhe pediu ajuda, pois as vendas de ovos estavam caindo drasticamente.
O amigo após analisar atentamente a situação que preocupava o fazendeiro, escreveu algo em um pedaço de papel, lacrou, colocou dentro de um envelope e entregou ao fazendeiro dizendo:
- Leve com você este envelope fechado por todos os setores de produção de ovos, no mínimo três vezes ao dia durante seis meses.
E assim fez o fazendeiro.
Pela manhã ao ir ao campo segurando o envelope, encontrou um funcionário dormindo, quando este deveria estar trabalhando. Acordou-o e chamou sua atenção.
Ao meio dia quando foi ao depósito, encontrou vários sacos de milho furados e o local bem sujo. Chamou a atenção também do funcionário responsável e acabou descobrindo que o mesmo chegava atrasado ao serviço todos os dias.
À noite, ao conferir na granja se todos os ovos tinham sido recolhidos conforme normas, deu-se conta que o serviço tinha sido mal feito e o funcionário responsável não tinha sido treinado adequadamente, gerando com isso um prejuízo enorme a cada dia que se passava.
A partir daí, todos os dias ao percorrer a sua fazenda de um lado para outro com seu envelope, encontrava várias coisas erradas, as quais deveriam ser corrigidas imediatamente.
Sempre pensava: se não fosse pelo envelope oferecido pelo meu amigo jamais teria visto estas falhas. Em menos de seis meses, o fazendeiro muito feliz chamou o amigo e lhe disse:
- Por favor, deixe comigo por mais um ano este envelope; minha fazenda melhorou muito, graças a este "amuleto".
O amigo sorriu, abriu o envelope e lhe disse:
- Podes ter este "envelope" pelo resto da sua vida, mas o segredo não está no envelope e sim em quem o carregou por muito tempo pelos quatro cantos desta fazenda.
Retirou de dentro um pequeno papel que estava escrito a seguinte frase:
"Se queres que as coisas melhorem e rendam frutos, deves gerenciá-las de perto e constantemente. Muitas vezes a culpa pelo fracasso não está os outros e sim em quem os lidera."

Fonte: http://www.soniajordao.com.br/detalhes.php?id=619

Beijos, Luciene Lima.

A janela (Motivação)


A janela dava para um parque onde havia um lago com patos e cisnes, onde as crianças iam atirar-lhes pão e colocar barcos de brinquedo na água. Jovens namorados caminhavam de mãos dadas entre as árvores, havia flores, gramados e jogos de bola...

Certa vez, dois homens estavam seriamente doentes na mesma enfermaria de um grande hospital. O cômodo era bem pequeno e nele havia uma janela que dava para o mundo.
Um dos homens, cuja cama ficava próxima à janela, tinha a permissão para sentar-se na cama por uma hora durante as tardes e admirar o mundo lá fora.
O outro, contudo, tinha de passar todo o seu tempo deitado de barriga pra cima. Todas as tardes, o homem cuja cama ficava perto da janela, passava o tempo todo descrevendo o que via lá fora.
A janela dava para um parque onde havia um lago com patos e cisnes, onde as crianças iam atirar-lhes pão e colocar barcos de brinquedo na água. Jovens namorados caminhavam de mãos dadas entre as árvores, havia flores, gramados e jogos de bola. E ao fundo, por trás da fileira de árvores, avistava-se o belo contorno dos prédios da cidade.
O homem deitado ouvia o outro descrever tudo isso, apreciando todos os minutos. Ouviu sobre como uma criança quase caiu no lago e sobre como as garotas estavam bonitas em seus vestidos de verão. As descrições de seu amigo eventualmente o faziam sentir que quase podia ver o que estava acontecendo lá fora.
Então, uma bela tarde, ocorreu-lhe um pensamento: "Por que o homem que ficava perto da janela deveria ter todo o prazer de ver o que estava acontecendo? Por que ele não podia ter essa chance?" Sentiu-se envergonhado, mas quanto mais tentava não pensar assim, mais queria uma mudança. Faria qualquer coisa!!!
Numa manhã, seu companheiro de quarto fora transferido, abriu-se então a oportunidade para que fosse removido para a cama com vista para o mundo.
Logo que pareceu apropriado, o homem perguntou se poderia ser colocado na cama próxima a janela. Então, colocaram-no lá, aconchegaram-no sob as cobertas e fizeram com que se sentisse bastante confortável. No minuto em que saíram, ele apoiou-se sobre um cotovelo, com dificuldade e sentindo muita dor, olhou pra fora da janela.
Viu apenas um muro...
A vida é, sempre foi e será aquilo que nós a tornamos.


Beijos, Luciene Lima.