A corrida (Motivação)


“Um dia você foi inscrito para participar do maior concurso do mundo, 
da maior corrida de todos os tempos. 
Acredite você estava lá!
(Por Augusto Cury)

“Um dia você foi inscrito para participar do maior concurso do mundo, da maior corrida de todos os tempos. Acredite você estava lá! Eram mais de quarenta milhões de concorrentes. Pense nesse número. Todos tinham potencial para vencer e só um venceria. Será que você era mais um número na multidão ou tinha algo especial?

Analise quais seriam suas chances. Zero, zero, zero, zero, zero, zero, zero, zero, quatro (um numero assim 0,000.000.04). Você nunca foi tão próximo de zero. Suas chances eram quase inexistentes. Tinha tudo para ser mais um derrotado, tinha todos os motivos para ser um(a) grande perdedor(a). Qualquer um acharia loucura participar dessa corrida. Mas você participou e ainda achava que iria vencer.

Talvez fosse melhor desistir e se conformar com a derrota. Mas você era o ser mais teimoso do mundo, sua garra era incrível. Por isso jamais admitiu recuar. A palavra desistir não fazia parte do seu dicionário genético. Por quê? Porque, se perdesse essa corrida, perderia o maior prêmio da História. Qual?

A vida. (Sua vida).”


Beijos, Luciene Lima.
 

Vale a pena ler de novo (Motivação)


Havia, numa cidade, três pequenas árvores que sonhavam o que seriam depois de grandes.
A Primeira, olhando as estrelas disse:
-Eu quero ser o baú mais precioso do mundo, cheio de tesouros. Para tal até me disponho a ser cortada.
A Segunda olhou para o riacho e suspirou:
-Eu quero ser um grande navio para transportar reis e rainhas.
A Terceira árvore olhou o vale e disse:
-Quero ficar aqui no alto da montanha e crescer tanto que as pessoas ao olharem para mim, levantem seus olhos e pensem em DEUS.
Muitos anos se passaram e certo dia vieram três lenhadores e cortaram as três árvores, todas ansiosas em serem transformadas naquilo que sonhavam. Mas lenhadores não costumam ouvir e nem entender sonhos… Que pena!
A Primeira acabou sendo transformada em um cocho de feno.
A Segunda árvore virou um simples e pequeno barco de pesca, carregando pessoas e peixes todos os dias. E a Terceira, mesmo sonhando em ficar no alto da montanha, acabou cortada em grossas vigas, e sendo deixada de lado num depósito.
E todas as três perguntavam-se tristes. – Porque tem que ser assim?
Mas, numa noite, cheia de luzes e de estrelas, onde havia mil melodias no ar, uma jovem mulher colocou seu bebê recém-nascido naquele cocho de animais. E de repente a Primeira árvore percebeu que continha o maior tesouro que a humanidade pode receber.
A Segunda árvore, anos mais tarde, acabou transportando um homem de olhos claros de luz que certa vez, viajando com seus amigos, adormeceu no barco. E veio uma tempestade assustando os amigos, quando que simplesmente ao acordar disse ao mar revolto: “Sossegai”. O mar obedeceu e num relato a Segunda árvore entendeu que estava carregando o Rei de todos os Reinos da Terra.
Tempos mais tarde, num dia conturbado e triste, a Terceira árvore espantou-se quando suas vigas foram unidas em forma de cruz e um Homem foi pregado nela, pois fora condenado a morte embora inocente. Logo, sentiu-se horrível e cruel, mas três dias depois, o mundo vibrou de alegria e esperança, então a Terceira árvore entendeu que nela havia sido pregado um homem para a redenção da humanidade, e que as pessoas lembrariam de DEUS e de Seu Filho JESUS CRISTO ao olharem para ela.
As árvores tinham seus sonhos, mas as suas realizações foram mil vezes melhores e muito mais sábias do que haviam aspirado.
Portanto, se não souberes o porque de tudo, se todas as coisas ou algo te pareça estar em desacordo com teus sonhos mais justos, sossega, acalma-te, espera e não te esqueças nunca:
ELE SABE O QUE FAZ!

Fonte: https://sucesso.powerminas.com/historias-para-motivar-vale-a-pena-ler-de-novo/

Beijos, Luciene Lima.

Minha indicação de livros que li e são meus prediletos: